Adriana Antunes: ilusão - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião09/04/2019 | 13h25Atualizada em 09/04/2019 | 13h25

Adriana Antunes: ilusão

Nos faça ter coragem de levantar todos os dias e enfrentar o tédio do cotidiano

Guardamo-nos para momentos especiais, que jamais chegarão. Guardamo-nos para aquele grande amor, para aquela viagem que será inesquecível, para o emprego dos nossos sonhos, para aquele momento incrível que fará com que nossas vidas se dividam em dois, o antes e depois. Lançamos nossos dados no futuro, aplicamos nossos desejos no destino, esperamos que o Outro, pleno de tudo aquilo que sempre esperamos, buscamos, desejamos, chegue finalmente e nos faça feliz. 

Nos faça ter coragem de levantar todos os dias e enfrentar o tédio do cotidiano. Idealizamos. Idealizamos porque na nossa cabeça, merecemos o verso mais puro, o território mais livre, as palavras mais amorosas, à atenção ao nosso ser tão sequioso (também narcísico, individualista e egoísta) de vida e prazer. Lançamos sobre o outro a responsabilidade de nos fazer feliz. Mas eis que um dia, em algum momento, a chuva se transforma em choro, cascata caindo, castelo de areia se desmanchando, desilusão. 

Leia mais
Adriana Antunes: pão e poesia
Adriana Antunes: comer e ser feliz
Adriana Antunes: comer e ser feliz

Tudo nos atormenta, a dor, o drama, o abandono, a escureza do dia. Pobre de nós que acreditamos. Autocomiseração. Somos pessoas tão boas, mas não somos amados como merecemos. Outra vez sozinhos. Quantas vezes isso já aconteceu? O gosto de sal na boca, labirinto, a lembrança de um desejo que adormece no eco. Chegamos no limite. Amontoados, enjaulamos o coração e nunca mais tornaremos a nos apaixonar por alguém. Amarguramos, azedamos e sem nos darmos conta, afastaremos e nos afastaremos de tudo e de todos. Podemos recair, e logo depois iniciamos tudo outra vez. Novos desejos, sonhos, idealizações e agora sim, agora dará certo, agora será a vez que as coisas começarão a acontecer. E eis que o cínico destino nos faz passar por tudo outra vez. 

Essa não é uma crônica de autoajuda, nem sobre a falta de amor. Talvez uma crônica de epifania, afinal, abro esse texto com uma. Epifania é quando nos damos conta de que não temos controle sobre nada, somos imperfeitos e incompletos e que tudo é impermanência. É o ciclo da vida, e a vida é a tessitura de uma narrativa contínua. Há momentos iluminados e há o tempo do tédio e da frustração. 

Quando somos crianças achamos que sempre haverá alguém responsável por nós. Alguém que irá nos alimentar, acarinhar e pagar nossas contas. Vivemos num pensamento mágico. Mas é preciso crescer e crescer dói, porque descobrimos que teremos de ser responsáveis por nossas próprias vidas, escolhas e existências. Não dá para culpar o outro pelas nossas dores. O outro fez o que lhe era possível, o que estava ao seu alcance. Aceitar isso é ir ao encontro com o desamparo.

Eis a epifania humana, real e concreta. Depois disso, talvez as coisas melhorem, mas é preciso reconhecer a beleza no insignificante.

Leia também
Agenda: exposição "Varal", de Fabio Varela, será lançada na sexta, em Caxias
"Shazam!" diverte e dá frescor aos filmes de super-heróis
Caravana na rua abre programação da Maratona Sesc de Circo, em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros