Pedro Guerra: quem não gosta da gente - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião15/03/2019 | 15h05Atualizada em 15/03/2019 | 15h05

Pedro Guerra: quem não gosta da gente

Não adianta. Quem não gosta da gente não vai gostar se não quiser. E tá tudo bem

Pedro Guerra: quem não gosta da gente Antonio Giacomin/Divulgação
Foto: Antonio Giacomin / Divulgação

Acordei com diversos avisos no celular. Eram mensagens de amigos que não paravam de chegar e que me informavam que alguém estava falando de mim em uma rede social. Nem precisei procurar muito, logo encontrei o texto de um professor de pós-graduação em Letras que dizia, suportado por outros escritores, que eu não sabia escrever.

Fiquei mal na mesma hora, pois nunca soube lidar muito bem com a rejeição e com comentários negativos. Traumas causados lá atrás, quando sofri todo o Bullying da minha vida. Meses depois, já com a poeira um pouco mais baixa, fui premiado em um concurso literário importante, e para a minha surpresa, recebi o prêmio das mãos daquele mesmo professor.

Leia mais
Pedro Guerra: pressa de ser feliz
Pedro Guerra: a tragédia de cada um

Um tempo depois, alguém me chamou só para comentar que achava a minha literatura comercial. No caso, o argumento era de que eu só escrevia para vender. Dediquei algum tempo para repensar tudo aquilo que eu transpunha para o papel, até o dia em que alguns adolescentes disseram que tinham lido o meu livro e que havia sido o primeiro que eles tinham lido do começo ao fim. A partir daí, tornaram-se leitores.

Não adianta. Quem não gosta da gente não vai gostar se não quiser. E a gente bem que tenta provar alguma coisa, mostrar que não é bem assim, e mesmo que a verdade seja dita, quem não quiser não irá acreditar. As pessoas nos veem como querem ver, e o que esperamos que elas vejam não é aquilo que acabam vendo. Cada um tem o seu filtro, cada um enxerga usando a sua própria lente.

Durante anos da minha vida eu quis fazer parte de alguma coisa. O Bullying na época escolar, que inclusive se mostrava por meio da exclusão social, fez com que eu acreditasse que eu precisava provar constantemente o quanto sou bom, o quanto podem gostar de mim. Desde então, eu simplesmente odiava quando alguém tecia algum comentário a meu respeito sem nem mesmo me conhecer. Era quase como um resgate do sentimento que me corroia lá atrás: por favor, goste de mim.

Escrevi um novo livro onde narro Todo o Bullying da Minha Vida (pelo menos até agora) e decidi lançá-lo em cima do palco, em uma peça de teatro. Tenho certeza de que vou escutar fuxicos de que não sou ator, e que de alguma forma as palavras “oportunismo”, “vítima” e outras mais vão aparecer cedo ou tarde. A diferença é que agora eu sei: nós não devemos nada para ninguém.

Minto.

Nós devemos o bem para todo mundo. Constantemente. Nós devemos o respeito, a dignidade, a nossa melhor versão - seja dentro de casa, seja para a moça do caixa do supermercado. A partir daí, o que os outros vão fazer com aquilo que recebem da gente, já não cabe mais a nós.

Não adianta. Quem não gosta da gente não vai gostar se não quiser. E tá tudo bem.

Leia também
Pedro Guerra lança livro sobre bullying com espetáculo de teatro em Caxias do Sul
Com 2,5 milhões de fãs no Facebook, Caciano Kuffel estreia novo show neste domingo, em Caxias do Sul
Metaleiros da Deaf Kids estreiam em Caxias do Sul em festival neste sábado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros