Marcos Kirst: patos e ratos pela Dante - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião27/03/2019 | 11h52Atualizada em 02/04/2019 | 10h40

Marcos Kirst: patos e ratos pela Dante

Mas as fronteiras da imaginação não se vergam a limites de nenhuma natureza

Que eu saiba, Patópolis nunca teve uma via chamada Rua dos Viajantes, como aquela que sediava meus sonhos de infância na altura do número 119, em Ijuí. Pavimentada com paralelepípedos irregulares, a curta rua abrigava o processo de modelagem desse ser apaixonado pelo universo dos livros e das leituras em que muito cedo me transformei. Patópolis, a cidade imaginária onde vive boa parte dos personagens das histórias em quadrinhos de Walt Disney, fazia parte desse processo, e minha rua inteira parecia ser absorvida por aquele ambiente mágico de patos e ratos falantes sempre que as páginas dos gibis eram abertas, convidando-me ao mergulho na leitura.

Leia mais
Marcos Kirst: semana regida por Calíope
Marcos Kirst: a reincidênciados vândalos

Assim como muitos da minha geração, alfabetizados na década de 1970 do século passado, tive nas revistinhas do Pato Donald, Mickey, Zé Carioca e companhia, um suporte crucial no processo de consolidação do hábito de ler. Minnie, Pluto, Pateta, Margarida, Lampadinha, João Bafo-de-Onça, Maga Patalógica, Ronrom, Huguinho, Zezinho, Luizinho, Peninha, são apenas alguns dos personagens que desfilam na avenida de minhas lembranças hoje, da mesma forma como pareciam desfilar e fazer suas estripulias pela Rua dos Viajantes de meus dias de criança.

Mas as fronteiras da imaginação não se vergam a limites de nenhuma natureza. Nem nos meus mais absurdos sonhos infantis eu conseguiria imaginar que, anos depois, já adulto e vivendo da escrita profissional (como jornalista, escritor e cronista de segunda) em Caxias do Sul, eu passaria a habitar a cidade-sede da editora que publica, no Brasil, a linha de gibis Disney que tanto me foram (e ainda são) significativos. Esse sonho doce se concretiza agora, quando chegam às bancas as edições de estreia de cinco títulos Disney pela caxiense Editora Culturama, que assume a missão deixada pela Editora Abril, a casa Disney no Brasil de 1950 até 2018.

Quac! Então, agora, Patópolis é aqui, mesmo, com sabor de polenta e frango ao primo canto! O Mancha Negra que se cuide com o Orco e o Sanguanel! O Tio Patinhas, imagino, ficará à vontade, ao descobrir que já temos uma Caixa-Forte (“A Patada” fará concorrência ao “Pioneiro”?)! A torta de maçã da Vovó Donalda passará a integrar o menu local de sobremesas, ao lado do sagu gelado que tanto aprecio? A Praça Dante à noite será vigiada pelo Morcego Vermelho em seu pula-pula? O Pato Donald terá paciência para circular com seu conversível placas 313 pelo trânsito engarrafado da Sinimbu nos horários de pico? Seja como for, benvenuti a tutti, Mickey, Pato Donald e toda a galera! Que nos tragam bons sonhos.

Leia também
Bate-papo musical aborda sincretismo cultural no Instituto SAMba, em Caxias
Caxias do Sul recebe Encontro Regional de Cultura
Festival de Música de Rua lança projeto que pode levar shows para a sua rua

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros