Pedro Guerra: amor - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião04/01/2019 | 15h20

Pedro Guerra: amor

Amor foi entender que a vida é difícil, mas que também pode ser maravilhosa

Pedro Guerra: amor Antonio Giacomin/
Foto: Antonio Giacomin

Amor foi quando a minha mãe contou que descobriu o que era amor quando o meu pai teve que frear o carro e ele instintivamente esticou o braço na frente dela, que estava ali no banco do passageiro. Mesmo que presa pelo cinto de segurança, ela se sentiu protegida. Amor foi quando eu vi a neve pela primeira vez sem nem saber o que era neve. Amor foi quando eu passei praticamente dois anos sem dormir e os meus pais continuaram ali. Amor foi quando eu berrei e chorei, grudado nas grades da janela da escolinha, e a minha mãe seguiu para o trabalho tendo que ignorar aquela cena – o amor de mãe é desafiador. Amor foi quando eu vi o meu pai chorando pela primeira vez. Amor foi quando eu escrevi diversos poemas cafonas pensando estar vivendo o amor de uma vida inteira (eu tinha 12 anos). Amor foi descobrir que nem sempre a gente vai viver aquilo que quer, na hora que quer, e que está tudo bem mesmo assim. Amor foi entender que a vida é difícil, mas que também pode ser maravilhosa. Amor foi quando me dei conta, de um jeito pleno, sereno e livre de que eu estou vivo. Amor foi transitar entre outros amores. Foi acreditar que era pra sempre, porque a gente tende a validar as coisas (o para sempre também é um prazo). Amor foi naufragar no amor diversas vezes, foi chorar até secar os olhos, foi pensar que estava tudo perdido. Amor foi encontrar o amor outras vezes. Amor foi sentir saudades, foi deixar recado, foi fazer surpresa, foi um abraço quente e foi uma cama dividida. Amor foi aquele livro que eu escrevi para falar de amor. Amor foi tempo, foi investimento, foi esperança e foi espera. Amor foi mensagem de bom dia. Amor foi ir ao cinema sozinho pela primeira vez, amor foi fazer as pazes com o corpo, foi encarar o espelho e conversar sozinho. Amor foi sentir que estamos melhorando – devagar e sempre, como diz alguém que eu não lembro quem, mas tenho certeza que amo. Amor foi se despedir. Amor foi voltar a se ver. Amor foi ter um filho (seja ele qual for), foi plantar uma árvore, foi encontrar uma flor no chão e recolher para presentear alguém que a gente sempre gostou de chamar de amor.

Hoje, o amor é. Amor é aquilo que preenche e aquilo que transborda. Amor é paciência, é construção. Amor é início de ano, tranquilo e lento, azul claro e silêncio – ou, ao menos, deveria ser. Amor é suspiro. Amor é muita coisa. Amor é querer falar sobre o amor e ao mesmo tempo senti-lo, do jeito que for, sem nem entender direito o seu real significado. Mas para mim, amor é instinto: é frear o carro e automaticamente esticar o braço. Amor é proteção.

Leia também
Slime: o brinquedo feito em casa é terapêutico para pais e filhos
Conheça o ThetaHealing, técnica usada para mudar padrões bloqueadores
Saiba o que fazer em caso de queimadura de água-viva
Saiba como estimular o desenvolvimento das crianças durante as férias

 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros