Marcos Kirst: prato cheio, amargo sabor - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião14/01/2019 | 06h00Atualizada em 14/01/2019 | 06h00

Marcos Kirst: prato cheio, amargo sabor

Não se nega a tentação de um divertido prato com o tempero do feijão nacional

O resultado de uma recente pesquisa internacional sobre os (maus) hábitos alimentares de um punhado de países (entre eles, o Brasil) está virando um prato cheio para o debate a respeito do que significa alimentação saudável. E as conclusões podem ser indigestas para aquela parcela da população afeita ao consumo diário dos ditos "pratos feitos" (conhecidos pela sigla PF), de norte a sul do país. Acontece que, conforme os pesquisadores (que recentemente publicaram o estudo no "British Medical Journal"), por mais que haja variações na conformação dos PF dependendo das peculiaridades de cada região brasileira (o estudo também foi feito nos Estados Unidos, China, Gana, Índia e Finlândia), a base pouco varia, as porções costumam ser exageradas e o resultado é calorias em excesso e saúde em risco. Sinal de alerta ligado!

Leia mais
Marcos Kirst: melhor pessoa com o Pessoa
Marcos Kirst: reflexos de um fixo olhar

O tradicional cardápio do PF, composto por feijão, arroz, ovo frito, batata frita, bife frito (e dê-lhe fritura!), alface e tomate, é pobre em variação de alimentos e exagerado nas porções. Em resumo: dessa forma, o brasileiro vê aterrissar à sua frente, diariamente, um combo de muito carboidrato, muita fritura e pouca salada e legumes. Pior: devido ao exagero das medidas, um PF oferece, em média, no Brasil, 1,2 mil calorias, praticamente a metade do que um homem adulto precisa ingerir por dia para manter uma dieta saudável, segundo os padrões internacionais (uma mulher adulta precisa ingerir, em média, 2 mil calorias por dia). Estamos, portanto, comendo errado, conforme o estudo, atingindo sobrepeso e prejudicando nossas saúdes. O PF é a bola da vez na mira da cartilha para uma vida melhor. O consolo (ou melhor, o alerta) é que o problema não é exclusividade dos brasileiros, e se manifesta também em todos os

demais países pesquisados, com exceção da China, onde a conduta ponderada pauta a maioria dos aspectos da vida, especialmente na alimentação.

Ninguém nega o sabor e a tentação de um belo, colorido e divertido prato com o tempero típico do feijão nacional, com um arroz soltinho, um suculento bife (às vezes, acebolado), uma porção crocante de batatas fritas, uma gema dourada de ovo frito, o verde das alfaces e o rubro dos tomates. Nos tempos de antanho, já consumíamos essa base, com algumas variantes, e a apelidávamos de "prato comercial", ou "bandejão" (nos restaurantes universitários e nos quartéis), até o surgimento dos (às vezes) redentores bufês a quilo. Mas, como em tudo na vida (tudo, tudo), o que vale mesmo é o bom senso. Só que isso não aterrissa de graça como acompanhamento no prato de ninguém.

Leia também
Na cozinha: prepare feijão manteiga com bochecha de porco
Cachorro Grande é atração no Ceva Music Festival, em Bento

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros