Adriana Antunes: dedicatória - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião22/01/2019 | 07h00Atualizada em 22/01/2019 | 07h00

Adriana Antunes: dedicatória

Gosto de pensar num futuro bem distante, quando for velha, irei encontrar coisas que escrevi

Enquanto olho os livros em busca de um que me faça companhia, encontro as dedicatórias de amor. Há uma que fala do desejo de viver uma vida há dois com os pezinhos e os sovacos limpos. Ah, o romantismo tem mesmo sua própria linguagem. Tenho uma velha mania de pensar no futuro, como se o futuro já não fosse agora, mas enfim, gosto de pensar que num futuro bem distante, quando for velha, irei encontrar coisas que escrevi nas dobras dos livros. Pequenos recados e registros do cotidiano, como a chuva fina que cai e me lembra de uma viagem feita em silêncio ou do cheiro delicioso que vem da cozinha e invade a casa. Sempre atravesso uma espécie de ponte quando me reencontro com escritos antigos. Às vezes parece que uma noite desce, escurecendo o quarto, matizando a memória. Há coisas que escrevemos mas que não deveriam ter sido escritas. Funcionam como as pedras mais escuras do rio, que de quando em quando, seja por conta da chuva ou do sol, reaparecem ao olhar, denunciando que a profundidade existe. Respeito muito pedras, há nelas histórias do mundo. Coisas de mim, coisas de você. Então, por mais que se pise nesta ponte que liga o aqui e agora ao que foi, mas não foi, na tentativa de se chegar à outra margem, nunca a atinjo, porque o tempo, invariavelmente, rasga a vida em dois: o antes e o nunca.

Leia mais
Adriana Antunes: as árvores
Adriana Antunes: decerto que sim

Noutras vezes é como se um sol se abrisse em meio ao nevoeiro. Do outro lado da ponte surge alguém saído direto de uma gruta escura e esquecida, com flores nos braços e um sorriso de saudades recíproco. O reencontro esperado, não com a pessoa em si, mas conosco mesmo e de como nos sentíamos naquele exato instante. Um fragmento do passado que atravessa as camadas da vida e vem dar as caras, assim, de repente. As lembranças registradas em palavras lavam os corpos dos defuntos, perfumam os pecados dos amantes e nos transformam em turistas em meio às conexões nos aeroportos. As viagens são todas interrompidas. O mundo é um segredo. O mundo é um mistério.

Devolvo o livro à estante. A paisagem outra vez se apaga. Ninguém mais ri ou fala. A taça de vinho é devolvida à prateleira. Os olhares voltam a ser míopes. Transeuntes em mundos distantes, envoltos pelo barulho dos escapamentos dos carros que cruzam a via rapidamente. O mundo agora é só silêncio, ordenado pelas categorias, autores e ano de publicação.

Leia também
Estúdio de danças Mahaila, de Flores da Cunha, completa 20 anos com novidades
Como o eclipse lunar vai impactar nos signos nos próximos seis meses

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros