Adriana Antunes: decerto que sim - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião08/01/2019 | 09h50Atualizada em 08/01/2019 | 09h50

Adriana Antunes: decerto que sim

O tempo às vezes se esconde dentro do espaço

Precisamos guardar apenas aquilo que precisa ser salvo. O gemido de amor na madrugada chuvosa e escura, o barulho da pá do pedreiro fechando a sepultura da pessoa amada, o som dos pássaros no clarão do dia depois de uma noite de insônia, o farfalhar das folhas quando o inverno se anuncia, o som das frutas maduras caindo do pé, o arrulhar dos pombos nas esquinas da cidade, uma tarde de verão, uma visita querida. Guardo em mim as luzes do natal que se apagaram, as luzes da rua que se acendem ao anoitecer, o coaxar dos sapos, o jeito que minha mãe fala 'fia' ao telefone. Guardo tudo o que me ensinou sobre o que é noite, dia, amor e escombros. Guardo as nuvens solitárias de verão poetizadas por Mario Quintana, o sabor da hóstia dos tempos em que ia à missa, o sorriso de Bastião, um andarilho que de quando em quando aparecia na porta da casa da infância, o gosto do sorvete no primeiro encontro, o cheiro das camélias numa entrevista distante feita no tempo em que trabalhava na tv. Guardo ainda leituras feitas e esquecidas, poesias relidas, a tábua de uma navio que naufragou, as conchas da praia, as sementes de uma fruta desconhecida, as pedras dos lugares por onde passei. Guardo a água, o vento e o fogo, os mesmos que salvam e destroem florestas. Guardo isso tudo para que a memória se mantenha viva. São as lembranças que nos ensinam que há pessoas que precisamos esquecer, relacionamentos que devem se romper, caminhos novos que precisam ser percorridos. Guardo as alegrias e as dores. Tudo salvo do abandono.

O tempo às vezes se esconde dentro do espaço. Uma paisagem: o prato que sobra na mesa pronta, a mala feita ao pé da cama, o vaso de flores, o livro não lido até o fim, os insetos por entre as ramagens do jardim. Tudo vira um instante estacionado. Um caranguejo maria-fumaça tomando sol no mangue. Vermelho como o sangue. Tempo despojado de espaço. O sol da manhã dentro da flor, aberta para a claridade, desafiando o calor escaldante. Sempre olho para as flores dos jardins e desconfio de que em algum momento elas não resistirão. Projeção, talvez. Há tempo de falar e tempo de silenciar.

É verão e nada é mais prosaico do que tentar poetizar o cotidiano. Uma reles tentativa de sobreviver à realidade. As noticias degradam o dia. Não há redenção à noite. Passa uma mosca diante da tela do computador, zumbindo, zunindo. Sílaba perdida. No céu a promessa de um relâmpago. É assim que protegemos as coisas que são nossas, guardando apenas aquilo que precisa ser salvo.

Leia também
Morre a argentina Eva Piwowarski, uma das curadoras do Festival de Cinema de Gramado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros