Marcos Kirst: reflexos de um fixo olhar - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião24/12/2018 | 09h54Atualizada em 24/12/2018 | 09h54

Marcos Kirst: reflexos de um fixo olhar

Muito mais do que o futebol, a vida em si é uma verdadeira caixinha de surpresas

O bom da vida é que as surpresas sempre estão à espreita a dois passos antes de qualquer esquina, e, para o bom aprendiz, basta estar atento para seguir acumulando experiências e lições de vida com o passar dos anos. Muito mais do que o futebol (que muitos definem como uma representação lúdica do viver), a vida em si é a verdadeira caixinha de surpresas. Algumas assustadoras, outras preocupantes, claro, o fato é que podemos aprender e absorver ensinamentos com todas as espécies de surpresas que o andar da vida nos oferece. Mas óbvio que preferimos sempre as boas e positivas ou, no mínimo, aquelas que ensinam sem grandes dores.

Dia desses fui alvo do estalar de uma dessas surpresas específicas, manifestada durante um prosaico e despretensioso passeio de mãos dadas com minha esposa pelos corredores atribulados de um centro de compras da região, motivados pela necessidade de buscarmos in loco a inspiração necessária para a aquisição dos presentes natalinos com os quais desejamos regalar a lista dos entes queridos presenteáveis, seguindo à risca a tradição. Andávamos a esmo vislumbrando as lojas e as gentes quando, em determinado momento, detectei um olhar mais atento e fixo da esposa sobre minha pessoa. 

O que havia? O que em mim lhe havia chamado a atenção? Meu cabelo desgrenhado? Não, não deveria ser isso, pois, conforme o costume, ela não perde tempo em externar seu desagrado relativo ao crescimento desordenado de minhas cada vez mais escassas madeixas. Não haveria de ser o cabelo. O que seria, então? Seguimos, eu com a dúvida, ela com os olhares.

Leia mais
Marcos Kirst: ubuntu e a chave do Graal
Marcos Kirst: o real valor de um presente

Mais adiante, ela voltou a me olhar fixamente, os olhos brilhando, uma luz cintilante iluminava sua face, que na minha repousava. Teria ela sido possuída de súbito por uma irresistível sensação natalina que lhe embevecia a alma, lhe reativava e resgatava uma profunda paixão semelhante àquela dos primeiros anos de relação?

Assim, de repente, sob a trilha sonora dos pequeninos sinos de Belém a bater? Aqueles olhos em mim estariam a revelar um processo de redescobrir no outro os sentimentos mais doces e ternos que às vezes deixamos sufocar devido ao atribular do cotidiano? Olhei de volta a ela, sorrindo, e inquiri: "Que foi, amor"? Ao que ela respondeu: "Fica mais prá trás um pouquinho, pra eu poder ver as vitrines, por favor".

Lição advinda da surpresa: nos shoppings, deixe sempre a esposa (namorada, companheira, noiva) andar no lado junto às vitrines. Não lhes atrapalhe a vista de encantamentos interpondo a imagem de sua cara batida. E deixe-as felizes. Simples assim.

Leia também
Conheça o coral dos pequenos índios kaingang na aldeia de Farroupilha
Faça pão com farinha de casca de uva
Tríssia Ordovás Sartori: tal qual um peixinho dourado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros