Pedro Guerra: não cabe a nós - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião23/11/2018 | 13h00Atualizada em 23/11/2018 | 13h00

Pedro Guerra: não cabe a nós

Tudo tem um tempo. Todo tempo tem um porquê.

Pedro Guerra: não cabe a nós Antonio Giacomin/reprodução
Foto: Antonio Giacomin / reprodução

 No dia em que eu descobri que as crianças adoram saber o porquê de todas as coisas, foi aí mesmo que eu passei o dia enchendo o saco dos meus pais. Eu andava para lá e para cá perguntando por que isso, por que aquilo. A brincadeira perdeu a graça, é claro, diferentemente da curiosidade que sempre vai morar dentro de mim - junto da fome, talvez esta seja a minha característica mais insaciável. E a vida parece fazer um esforço contínuo e silencioso para alimentar esse monstro que nunca para de crescer.

Fato é que somos curiosos por natureza. Queremos saber de onde viemos e para onde vamos, passamos a vida toda nos questionando o famoso "e se?" (eu diria que este é o maior expoente da autotortura), além de constantemente querer entender porque tal coisa aconteceu com a gente - qual é, dentre 7 bilhões de pessoas no mundo, justo eu?!

Comecei a pensar que talvez não cabe a nós descobrir todos os mistérios da vida. Por mais difícil que seja para uma pessoa extremamente curiosa comprar essa ideia, quem sabe a vida seja assim, intrigante e irritantemente surpreendente, e o que nos resta é aceitar e saber viver as surpresas que aparecem dia após dia, sejam elas quais forem.

Por muito tempo eu também tentei compreender o tempo das coisas. Por que tudo não acontece na hora que eu quero? Por que algumas coisas só se desenrolam naquela hora em que eu já tinha deixado pra lá e nem mais lembrava do assunto? Existem pessoas que vão embora e voltam do nada, como se a gente precisasse de mais dúvidas, surpresas e incertezas na nossa rotina, e a primeira coisa que a gente faz é se perguntar: por que agora?

Muitos adolescentes com seus corações quebrados me procuram para pedir conselhos. E olha que sobre o assunto eu tenho experiência - são diversas desilusões amorosas na bagagem. Quando todos eles pensam que vão literalmente morrer de amor, eu tenho plena certeza de que os frustro ao apresentar a única salvação para a sua dor. Além de simples, é o único antídoto disponível, barato e acessível: o tempo. Clichê é dizer que o tempo cura, frase batida é dizer que o tempo ensina, mas novidade mesmo é dizer que o tempo também é um tipo de dor, mas que sara. Existe cura. E ela vem naturalmente... Com o tempo (!) - percebe como a vida é um ciclo, onde tudo acaba se conectando uma hora ou outra, e no fim tudo faz sentido?

Tudo tem um tempo. Todo tempo tem um porquê.

Não cabe a nós saber, entender, ou até mesmo questionar. Não tudo, é claro, até porque, é a partir do questionamento e da curiosidade que nós buscamos mais e mais e assim nos aperfeiçoamos enquanto seres humanos, adquirindo e acumulando conhecimento. Mas para alguns assuntos, o melhor mesmo é apenas deixar tudo acontecer _ do jeito que tiver que ser, na hora que tiver que for.

Por que? Porque sim. E fim de história.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros