Com muita polêmica, "Super Drags" estreia na Netflix nesta sexta-feira - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Nas telinhas 08/11/2018 | 15h04Atualizada em 09/11/2018 | 10h52

Com muita polêmica, "Super Drags" estreia na Netflix nesta sexta-feira

Série conta a a história de três drag queens que usam seus superpoderes para enfrentar as forças do mal 

Com muita polêmica, "Super Drags" estreia na Netflix nesta sexta-feira Divulgação/Netflix
Primeira animação brasileira na Netflix, série traz drag queens super poderosas Foto: Divulgação / Netflix

Depois de muita falação e polêmica entre os pais, a série animada brasileira "Super Drags" estreia nesta sexta-feira na Netflix. A trama marcará história por vários aspectos. Ela é a primeira animação nacional disponível no serviço de streaming. Além disso, aborda como principal bandeira a luta contra o preconceito. 

A história gira em torno de três homens: Patrick, Donny e Ramon, que trabalham em uma loja de departamento durante o dia. No entanto, à noite, se transformam em três drag quenns: Lemon Chiffon, Safira Cian e Scarlet Carmesim, que usam seus poderes para enfrentar as forças do mal. 

A série foi criada por Anderson Mahanski, Fernando Mendonça e Paulo Lescaut e traz na dublagem drags conhecidas de nacionalmente e internacionalmente. Na versão em português, Pabllo Vitar e Silvetty Montilla participam como vozes das drags.  

Antes mesmo de estrear na Netflix, a série foi alvo de protestos na web por conta de pais que estariam preocupados com o conteúdo mostrado na trama. No entanto, a série é voltada ao público adulto e tem classificação indicativa para maiores de 16 anos. Em aplicativos como WhatsApp e Facebook, o lançamento repercutiu como uma ameaça para as crianças. 

Tanto é que a Sociedade Brasileira de Pediatria pediu o cancelamento da série, como "expressão de compromisso do desenvolvimento de futuras gerações". Além disso, afirmou que via a trama "com preocupação um desenho animado cuja trama gira ao redor de jovens que se transformam em drag queens super-heroínas". 

A polêmica cresceu ainda mais e acabou chegando ao Congresso Nacional. Isso porque, o deputado federal Alan Rick (DEM-AC) emitiu no dia 1º de novembro, em seu perfil no Facebook, uma nota de repúdio. Na publicação, o parlamentar destacou que "o desenho que é recheada de palavrões e piadas de cunho sexual". O deputado disse também que enviaria oficialmente uma nota de repúdio à Netflix contra a série em nome da Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família, da qual é vice-presidente.

Vale lembrar que a Netflix possui outras animações destinadas ao público adulto, como Bojack Horseman e Big Mouth, que trazem em seus conteúdos cenas de sexo, violência e consumo de drogas, mas que nunca chamaram a atenção da pediatras e parlamentares brasileiros.

A Netflix também divulgou um vídeo no YouTube esclarecendo que nem toda animação é para criança.

Confira o trailer de Super Drags: 

Leia também:
Série de sucesso americana "Breaking Bad" vai ganhar filme

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros