Ciro Fabres: o Lobo Mau - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião07/11/2018 | 08h48Atualizada em 07/11/2018 | 08h48

Ciro Fabres: o Lobo Mau

Era um daqueles  personagens da infância, acusado de fazer mal às criancinhas. Era fake news

Os comunistas estão por todo o lado. Voltaram. Na nossa América, a porção mais agressiva deles atende pela qualificatória de "bolivarianos". Até o insuspeito ex-presidente Fernando Henrique virou comunista. O presidente eleito, Jair Bolsonaro, postou no Twitter uma foto do ex-presidente com o livro de um ex-líder comunista chinês. Bastou para que a sugestão de que Fernando Henrique seja um perigoso comunista fosse assumida nos comentários de seguidores. A Folha de São Paulo tevê o nome trocado para "Foice de São Paulo". São dois singelos exemplos, para não ir além. 

A velhíssima expressão de que "comunista come criancinha" – espécie de paródia em cima da narrativa do Lobo Mau –, quem diria, está de volta. Sinceramente, se julgava extinta por absoluta desnecessidade, etapa superada da humanidade. Pois está de volta.

Leia mais
Ciro Fabres: filosofia numa hora dessas 
Ciro Fabres: o cão e seu desalento 

Nem o Lobo Mau come mais criancinhas. Aliás, o lobo propriamente dito nunca as comeu. O Lobo Mau era um daqueles personagens vilões da infância, a quem era atribuída uma índole traiçoeira e maldosa, acusado de fazer mal às criancinhas. Era "fake news", retratada em verso pela composição do magistral Braguinha para tirar onda da fábula ("Eu sou o Lobo Mau, / Lobo Mau, Lobo Mau. / Eu pego as criancinhas / Pra fazer mingau. / Hoje estou contente, / Vai haver festança, / Tenho um bom petisco / Para encher a minha pança."). 

Em outra composição, Pela Estrada Afora, Braguinha alertava sobre os perigos de uma netinha seguir sozinha para levar doces à vovozinha: "Ela mora longe, o caminho é deserto / E o lobo mau passeia aqui por perto." Sabemos desse roteiro, tristemente, um sinal de que lobos maus existem por aí, mas não são os animais lobos. Portanto, os alertas de Braguinha faziam e ainda fazem sentido. Papais, cuidem de suas crianças.

Já o Lobo Mau era um personagem instigante. Está presente no Chapeuzinho Vermelho e nos Três Porquinhos. Ao longo dos anos, certamente o Lobo Mau foi alcançado pela onda avassaladora do "politicamente correto", refletiu sobre as consequências de suas maldades, entendeu que o Estatuto da Criança e do Adolescente é importante e decidiu se aposentar. Ficou a lenda.

Já os comunistas, estes que se julgava desaparecidos com o fim da Guerra Fria, lá nos Anos 80, estavam escondidos nas moitas, à espreita. Ou na imprensa. Ou nos governos: oito anos de FH, mais 13 anos de governos petistas. E não implantaram o comunismo. Houve até eleições e liberdade de expressão nesse tempo todo. Pois agora reaparecem os comunistas. E ainda se acredita que eles comem criancinhas.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros