Nivaldo Pereira: paisagem na neblina - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião14/09/2018 | 17h48Atualizada em 14/09/2018 | 17h48

Nivaldo Pereira: paisagem na neblina

Só uma coisa é certa: o efeito nevoeiro de Netuno se estende ao ano que vem

Nivaldo Pereira: paisagem na neblina /
Nivaldo Pereira
Nivaldo Pereira

nivaldope@uol.com.br

Com Netuno em Peixes, o mar não está para Virgem. Melhor dizendo: a lenta passagem do planeta da dissolução e da confusão no signo oposto não favorece a discriminação nem a visão realista dos virginianos. No caso de um país “nascido” a 7 de setembro de 1822, o caos e o descontrole nas estruturas administrativas desarrumam a identidade da nação e fazem emergir, além de frustração e muita raiva, ilusórios anseios netunianos, como a esperança de que um idealizado salvador venha restaurar o que foi perdido.

Todos se consideram "certos" e o desvario travestido de iluminação se propaga, tão contagioso quanto perigoso, nos lares, ruas e redes sociais. Mas, apesar das histéricas buscas por culpados pela desordem – que são  sempre os outros, os diferentes –, o Brasil também vive um ciclo astrológico promissor para a correção de certas distorções em sua própria imagem como país e como povo.

No mapa astrológico do Brasil, o Sol virginiano está na sétima casa, a dos “outros”, em tensão com o positivo e inflado Júpiter. Entre outros efeitos, isso gera uma autoimagem em que cada parte se vê como modelo de moral e razão, projetando nas demais os problemas. O sociólogo Eduardo Giannetti chama isso de "paradoxo do brasileiro" e cita pesquisas como aquela em que a grande maioria da população não se assume como racista, mas reconhece o racismo dos outros. Giannetti resume: “o brasileiro é o outro, não eu".

Pois bem, o trânsito de Netuno também oferece, mesmo que por vias tortas, meios para examinar esse autoengano que jamais resultaria num projeto justo de nação. Saturno em Capricórnio também chama Virgem à realidade: não há milagres, não há salvadores. Somos os outros dos outros, somos o que somos: um país forjado na violência e na desigualdade. E não se muda isso com ilusões e jogos de culpa.

Só uma coisa é certa: o efeito nevoeiro de Netuno se estende ao ano que vem. Então, convém praticar mais tolerância e menos julgamentos, mais reflexão e menos opiniões inflamadas. Urge a humildade pisciana de não ter certezas. Urge levar o barco devagar.

Leia também
3por4: Oswaldo Montenegro apresenta o filme "A Chave do Vale Encantado" em Gramado
Prove esse delicioso rocambole de laranja com nutella

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros