Natalia Borges Polesso: self made man - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião11/09/2018 | 06h00Atualizada em 11/09/2018 | 06h00

Natalia Borges Polesso: self made man

Dessas historinhas, acho que a minha favorita é uma das contemporâneas

Natalia Borges Polesso

nbpoless@gmail.com

Eu sempre gostei muito de contos de fadas, fábulas e histórias da carochinha. Essas histórias infantis em que as personagens não são tão complexas e servem muito bem para que crianças (e adultos) se identifiquem e identifiquem estereótipos, para que se confortem e confrontem medos e tabus.

Leia mais
Natalia Borges Polesso: Brasil vil 
Natalia Borges Polesso: visibilidade lésbica - parte IV

Dessas historinhas, acho que a minha favorita é uma das contemporâneas. Se chama O conto do self made man. É a história de um homem com muitos sonhos e projetos, um homem empreendedor, que embarca numa jornada solitária rumo ao sucesso e que única e exclusivamente por conta de seu esforço e nada mais, triunfa. É claro que ele enfrenta muitos problemas e, em determinado momento, nós, leitores, somos forçados a acreditar que ele não vai conseguir, mas com esforço e merecimento, tudo dá certo. Essa história ganha credibilidade, porque é sempre contada em terceira pessoa. Ou seja, o protagonista é sempre observado, é um exemplo, aliás.

Basicamente, a história fala sobre como obter sucesso na vida é algo que está intimamente ligado com você mesmo e não com o ambiente a sua volta.

Essa ideia, fruto de um pensamento norte americano ficou bem enraizada na nossa cultura e chamar alguém de self made man virou um elogio. E é evidente que seja um elogio, afinal se a pessoa saiu "do nada" e virou alguém na vida, ela tem que ser celebrada.

Só que existem muitos nadas. Muitos níveis de nada. Muitos pontos de partida diferentes, porque não é preciso ser um gênio para ver a desigualdade berrante do mundo. E também há muitos tipos de alguém. Cada pessoa é uma pessoa. E por cima disso aí tudo, ainda tem uma questão, que talvez seja aquela moral da história que é mais profunda, na qual é preciso de um auxílio para chegar: ninguém se faz sozinho.

Aliás, sozinho, você é nada.

Um ser humano que precisa ser nutrido, precisa ser ensinado, precisa aprender a falar e pensar. Sobre esses ensinamentos precisa ter dúvidas, dessas dúvidas precisa obter respostas. Um ser humano precisa de abrigo e calor e conversa, precisa de arte e de algum tipo de trabalho, precisa de amigos, precisa falar e comer a comida que foi plantada por alguém e dormir, com sorte, numa casa feita por alguém, com tijolos feitos por alguém, precisa amar e com mais sorte ser amado. Exemplos brutos e curtos, que cabem aqui nessas linhas.

Agora pense que nem todo mundo tem a casa, nem o trabalho, nem o alimento, nem o amor. Vá retirando tudo o que você tem e recalculando a rota para seu sucesso. Cada um vai ter um entorno diferente e às vezes não importa muito o quanto se quer alguma coisa, importa mais se há condições para que se possa ter.

Nesse sentido, prefiro muito mais o conto da empatia, da solidariedade, da divisão, mas essa é outra história.

Leia também
Vinicius Modelski ministra oficina gratuita de guitarra gaúcha em Caxias do Sul
The Beatles no Acordeon planeja novos voos após Liverpool
Caxias do Sul chama atenção pela produção de peças de design exclusivas e também por exportar talentos
Mostra autobiográfica de Verlu Macke, em Caxias, mescla memória e esquecimento
Nhoque feito em Forqueta tem tempero de saudade  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros