Marcos Kirst: um roteiro no mundo da lua - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Opinião17/09/2018 | 10h51Atualizada em 17/09/2018 | 10h51

Marcos Kirst: um roteiro no mundo da lua

A primeira etapa da mágica turnê foi a cidade de Antares, no noroeste do Estado

Nosso guia chamava-se Ítalo, mas só descobri seu nome ao pescar de ouvido uma conversa casual que ele travava com uma colega de jornada sentada no banco de trás, quando nos preparávamos para desembarcar na primeira cidade prevista no roteiro. "Ítalo", pensei. Eu deveria ter desconfiado. Só mais tarde é que me dei por conta de que outra pista surgira logo na partida, assim que o ônibus amarelo pintado com vibrantes cores psicodélicas começara a rodar, saindo defronte à sede da Agência de Viagens Viajantes. "Fafner" era como haviam batizado o veículo, informou-nos o guia. Mas eu, distraído e ansioso pelo passeio, deixei por isso mesmo e entreguei o timão de meu destino naquela semana à condução de Ítalo e de Jules, o motorista que administrava as marchas de Fafner pelas quebradas da cosmopista transfigurada em infinita highway.

Leia mais
Marcos Kirst: em tempos de tanque cheio
Marcos Kirst: um chef que mete a colher
Marcos Kirst: ei, tudo vai melhorar, Jud!

A primeira etapa da mágica e misteriosa turnê foi a cidade de Antares, na fronteira noroeste do Rio Grande do Sul. Depois do rápido city-tour, Fafner parou alguns minutos junto à pracinha central onde ainda existe o coreto em que se desenrolou o verissíssimo incidente. Dali, seguimos ao cemitério, mas não pudemos entrar porque uma nova greve dos coveiros estava sendo articulada e decidimos ir adiante, rumo a Maracangalha, onde adquirimos dúzias de chapéus de palha para presentear na volta os amigos e parentes a quem infernizaríamos com as sessões de fotos do passeio. Ítalo revelou ser amicíssimo do rei e por isso fomos recebidos com taças de espumante em Pasárgada, lamentando que Ciro não estivesse presente. Desviando da rota da Conchinchina, que fica à esquerda pela Estrada de Santos, rumamos a Sucupira, onde também questões relativas à inauguração do cemitério agitavam o meio político local, pelo que preferimos visitar o museu que abriga a famosa coleção de borboletas, antes que incendiasse.

Retornando ao Sul, passeamos pela singela Tapariu, onde nos deleitamos com a gastronomia à base de brócolis, e encerramos o passeio na vizinha Uvanova, presenciando a hospitalidade serrana adoçada com sagu quente para os conservadores e sagu gelado para os hereges. Ano que vem farei o roteiro internacional, guiado por Xavier, que inclui a cidade de Combray (onde degusta-se madeleines geradoras de sonhos nostálgicos), Macondo (onde se conhece a origem do gelo), uma romaria à Cantuária guiada pela Mulher de Bath, um banquete servido sobre uma ovalada távola em Albion e a infinita biblioteca de um mosteiro medieval italiano, em cujas galerias ronda um constante e indecifrável eco. Pois viajar é preciso.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros