Filme francês "Uma Casa à Beira-mar" estreia em Caxias - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Cinema27/09/2018 | 09h30Atualizada em 27/09/2018 | 09h30

Filme francês "Uma Casa à Beira-mar" estreia em Caxias

Longa fica em cartaz até o dia 7 de outubro 

Filme francês "Uma Casa à Beira-mar" estreia em Caxias Imovision/Divulgação
Produção é dirigida por Robert Guédiguian Foto: Imovision / Divulgação

O movimento circunda uma casa instalada num cartão postal ao sul da França. À frente, há o vaivém das ondas do mar; atrás, há uma linha ferroviária e uma estrada, ambas em plena atividade. Enquanto contempla essa paisagem de sua varanda, um idoso sofre um colapso e fica acamado, fato que motiva a reunião de seus três filhos nesse mesmo local, depois de 20 anos separados. Ao redor da vida que se definha, estagnada, novos dilemas movimentam o lugar e sugerem muito mais do que meros conflitos familiares. Uma Casa à Beira-mar, longa francês que estreia nesta quinta na Sala de Cinema Ulysses Geremia, olha tanto para o passado quanto para o futuro, discutindo a finitude, a maturidade e pregando o humanismo.

Dirigido por Robert Guédiguian – conhecido por filmes como O Fio de Ariane e As Neves do Kilimanjaro –, o longa propõe um olhar simples sobre a vida bucólica na pequena vila marítima que sedia a história. Sem ousadias nos movimentos de câmera ou na composição dos quadros, o objetivo aqui é voltar atenções aos diálogos e aos dramas pessoais de cada personagem, com a calma narrativa que costuma caracterizar o cinema francês. O ritmo, porém, soa demasiadamente demorado na primeira metade do filme, o que pode irritar os espectadores com menos paciência. Mas depois que o roteiro (escrito pelo diretor em parceria com Serge Valletti) engrena, as relações sugeridas pelo longa ficam mais claras. E o deleite do outro lado da tela também.

Uma Casa à Beira-mar é conduzido, principalmente, pela história pessoal da personagem Angèle (Ariane Ascaride). Ela é uma atriz famosa que se distanciou da família depois de uma tragédia ocorrida na mesma paisagem que agora revisita por conta da doença do pai. A princípio séria e amargurada, a figura de Angèle vai mudando a medida que a personagem se abre para as novidades que surgem no velho lugar onde cresceu. Outro personagem interessante é o irmão dela, Joseph (Jean-Pierre Darroussin), que vive um constante embate de gerações com a namorada jovem e entediada Bérangère (Anaïs Demoustier). O outro irmão, Armand (Gérard Meylan), representa a figura de quem escolheu (ou precisou?) ficar a vida toda no mesmo lugar, acompanhando os negócios do pai, e agora se vê um tanto confrontado pela presença dos irmãos antes tão distantes.

Pincelando ainda visões sobre a esquerda – muito bem-vindas em momentos políticos tão fervorosos como os que vivemos atualmente no Brasil – o filme deixa sua mensagem humanista (sem ser panfletária) tomar conta da história a partir de um ponto de virada. Precisando lidar com outra situação urgente além da doença do pai, o trio de irmãos acaba por se unir nos ideias que possuem em comum e que – fica implícito – fazem os ensinamentos do patriarca valer a pena. Concluindo o movimento circular das ideias de maneira interessante.     

Programe-se:
:: O quê: drama francês Uma Casa à Beira-Mar, de Robert Guédiguian.
:: Onde: Sala de Cinema Ulysses Geremia, no Centro de Cultura Ordovás (Rua Luiz Antunes, 312).
:: Quando: estreia nesta quinta e fica em cartaz até o dia 7 de outubro, com sessões de quinta a domingo, às 19h30min.
:: Quanto: R$ 10 e R$ 5 (estudantes, beneficiários ID Jovem, idosos e servidores municipais).
:: Classificação: 12 anos.
:: Duração: 107min.

Leia também:
Agenda: série "Concertos ao Entardecer" comemora aniversário neste domingo, no Recreio da Juventude 
3por4: Martha Medeiros lança canal no YouTube
Caxienses da Ligante Anfetamínico comemoram 20 anos de estrada
Em show acústico, Nei Van Soria relembra criação de canções, em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros