Pedro Guerra: nem sempre tudo vai estar bem - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião17/08/2018 | 15h00Atualizada em 17/08/2018 | 15h13

Pedro Guerra: nem sempre tudo vai estar bem

Nós vamos cair, vamos levantar, vamos ter dias ruins e dias maravilhosos

Pedro Guerra: nem sempre tudo vai estar bem Antônio Giacomin/
Foto: Antônio Giacomin

Fui parar no psiquiatra porque tive uma crise chata. Até aqui, nenhum problema em falar sobre isso porque acredito que não devemos ter vergonha alguma das nossas fraquezas. Em um primeiro momento eu até pensei estar ficando louco, sabe, de verdade. Mas depois de falar com o médico durante algum tempo, ele disse que eu tinha um carisma muito forte, que eu era extrovertido e tinha brilho nos olhos. Em resumo, ele não entendeu o que eu estava fazendo no seu consultório. Respondi que eu sou assim mesmo, uma incógnita. Tem vezes que nem eu mesmo me entendo.

O que eu quero dizer com isso é que está tudo bem se nem sempre estiver tudo bem. Nós vamos cair, vamos levantar, vamos ter dias ruins e dias maravilhosos. Mas o que eu acho válido nisso tudo é ter a plena consciência de que a nossa saúde mental é a mais importante de todas, e que sem ela nada funciona. Sou daqueles que acredita que muitos dos nossos problemas começam aqui, na nossa mente, e somos nós mesmos quem determinamos o tamanho que a nossa dor tem. Nem sempre podemos evitar algo que acontece com a gente, mas com certeza podemos decidir de qual forma nós vamos encarar isso.

O meu psiquiatra me disse que todos nós somos um pouco loucos, e eu não poderia ficar mais feliz com essa ideia. A loucura faz parte do processo de busca pela felicidade. Sem sair um pouco da nossa zona de conforto, a gente não chega em lugar algum, tão pouco conquista aquilo que tanto deseja. E a gente só se aventura em sair daqueles lugares onde estamos confortáveis quando cometemos algumas pequenas loucuras e percebemos que ser uma constante é a coisa mais chata que existe.

Tá tudo bem se nem sempre tudo estiver bem. Chorar é uma das artes mais lindas de ser um humano, e quem chora demonstra a sua sensibilidade perante às coisas. Chorar renova, e tem vezes que é tudo que a gente precisa. Depois, importante é buscar a ajuda necessária, seja ela qual for. Vivemos engolindo pílulas, fazendo tratamentos e procedimentos, tudo de fora para dentro, esquecendo que cuidar da nossa saúde deveria ser totalmente o inverso: curando aqui dentro, o lado de fora vai estar sempre bem. E feliz. E são.

Leia também
Abertura oficial do 46º Festival de Gramado ocorre nesta sexta com exibição do filme "O Grande Circo Místico"
3por4: mostra "Diário do esquecimento" abre no dia 6 de setembro em Caxias
Inspire-se em três receitas do projeto Eles na Cozinha e surpreenda os convidados
3por4: caxiense Tum Tum Produções participa da 1ª edição do Mercado das Indústrias Criativas do Brasil, em São Paulo

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros