Marcos Kirst: ei, tudo vai melhorar, Jud! - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião27/08/2018 | 13h19

Marcos Kirst: ei, tudo vai melhorar, Jud!

O vilão da trama pode servir de inspiração para "fazer melhor" e criar o Belo

O que você poderia esperar de um cara chamado Jud Fry, se você souber que ele desconhece seus pais verdadeiros, foi criado a mão de ferro pela família de seus patrões em um rancho interiorano, possui parca educação formal, trabalha pesado de sol a sol e é dotado de um temperamento taciturno, rude e agressivo? Primeiro, você vai manter distância regulamentar dele, claro. Depois, vai imaginar que uma criatura dessas não poderá jamais inspirar nada de bom no mundo e, mais tarde, terá de engolir seus próprios pensamentos, porque não é bem assim que as coisas são. De que diabos estou falando? Siga lendo, estimada leitora, pertinaz leitor, porque, como sabemos, isto é uma crônica de segunda e surpresas espreitam a dois passos da esquina.

Jud Fry, em primeiro lugar, não existe. Ou melhor, existe, porém, só no âmbito da ficção. Ele é um dos personagens principais de uma trama muito popular nos Estados Unidos nas décadas de 1940 e 1950, intitulada "Oklahoma!", que virou peça teatral musical em 1943 e acabou transposta para o cinema em 1955. A história é simples: Laurey Williams é a filha do dono de um rancho no qual trabalha o bom moço conhecido como Curly. Os dois se apaixonam, porém, entre eles, interpõe-se o malévolo Jud, que também ama Laurey e faz o diabo para impedir que o casal de apaixonados fique junto. Jud, pois, é o vilão da história.

No entanto, alguns anos mais tarde, ele serviu de inspiração para o músico britânico Paul McCartney solucionar uma passagem de uma das mais populares canções dos Beatles de todos os tempos: "Hey Jude", lançada em 26 de agosto de 1968, exatos 50 anos atrás. Paul compôs a música pensando em levar conforto a Julian Lennon, então com cinco anos de idade, que se via deprimido frente à separação de seus pais, John Lennon (que agora amava Yoko Ono) e Cynthia Powell. "Hey, Jules", primeiramente escreveu Paul, para conferir a sonoridade e o ritmo adequados ao

andamento melódico da canção (ao invés de "Hey, Julian"). Depois, Paul decidiu transformar o personagem da letra em "Jude", inspirado, como revelou mais tarde, no nome do personagem de "Oklahoma!", filme que muito o marcara na adolescência. O grosseiro Jud do musical hollywoodiano, portanto, induziu o florescer do lírico e encantador Jude dos Beatles. Afinal, sempre é possível transformar uma situação ruim em algo melhor, basta não querer "carregar o mundo em seus ombros" e tentar "fazer melhor, melhor, melhor", conforme diz a cinquentona canção, que, como esta crônica de segunda, encerra com infindáveis e alegóricos "na, na, na, nanana...".

Leia também:
Agenda: Alouca Café exibe o longa "Flores Raras", nesta segunda
Homenageado em Gramado, Edson Celulari fala sobre a trajetória profissional e rumos da carreira 
Semana da Visibilidade Lésbica de Caxias inicia neste sábado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros