Gilmar Marcílio: toda maneira de amar - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião10/08/2018 | 13h12Atualizada em 10/08/2018 | 13h12

Gilmar Marcílio: toda maneira de amar

É melhor cada um poder se expressar segundo a sua natureza

É bom ir começando desde já a engavetar os nossos preconceitos, pois os novos modelos de família são uma realidade que chegou para ficar. Não é mais uma questão de ser contra ou a favor, mas de constatar o que se apresenta diante de nós como um dado concreto. O modelo tradicional, formado por pai, mãe e filhos, é apenas mais uma possibilidade entre tantas que podemos ver não só como uma curiosidade em matérias de jornal ou revista. 

Leia mais
Gilmar Marcílio: elogio ao trivial
Gilmar Marcílio: culpados inocentes

É bem provável que seu vizinho ou parente já esteja vivenciando algo desse gênero. Casais formados por transexuais, por duas mulheres e um homem, dois homens e uma mulher, quatro pessoas vivendo amorosamente sob o mesmo teto, etc, etc. Os exemplos não caberiam neste texto. O que a história consagrou como a fórmula ideal de relacionamento tenderá a permanecer no topo por muito tempo ainda. Mudanças desse calibre costumam ocorrer lentamente, até porque contam com a oposição visceral da maioria das religiões que aninham o conservadorismo. Caberá a cada um, no entanto, o papel de observar sem grandes julgamentos o que, acima de tudo, pertence não somente à ordem dos costumes, mas também, e principalmente, à da biologia. Tudo cabe no humano.

Lembremos que as neuroses familiares inspiraram os maiores romancistas e pensadores. Sem elas não teria existido Madame Bovary e nem Ana Karenina, para ficar apenas em duas personagens clássicas. Muito menos as peças de Nelson Rodrigues. E psiquiatras e psicanalistas do porte de José Ângelo Gaiarsa e Regina Navarro Lins teriam que se debruçar sobre outros assuntos menos candentes em seus ensaios. Faça-se aqui menção ao nome do francês André Gide, que está entre os grandes da França. Em seu livro Frutos da terra, lançou uma das frases mais duras e que até hoje ressoa: "Famílias, eu vos odeio!". Passado mais de um século, o filósofo Luc Ferry dá como título a um de seus mais belos livros: "Famílias, eu vos amo!". Pois, diz ele, num mundo volátil como o nosso, é ainda nesse âmbito amoroso e de conflitos que se pode encontrar aquela que é praticamente a última base para a nossa saúde emocional. Como se pode observar, somos todos vítimas e beneficiários do que ocorre no âmbito doméstico. Para o bem e para o mal, é ali que nossa identidade é forjada.

Agora, pense comigo: não é muito melhor cada um ter o direito (de preferência garantido por lei, salvaguardando patrimônio e quetais) de se expressar segundo sua natureza, do que ser obrigado a viver na clandestinidade uma das mais belas experiências a que estamos destinados? Comemoro essas práticas libertárias com entusiasmo. Não sonho com o retrocesso moral. Penso em Alfred Kinsey e seu famoso relatório. Na década de sessenta, ele teve sua vida destruída pelo simples fato de ter pesquisado o quase infinito espectro da nossa sexualidade e chegado a agora óbvia conclusão: na cama, o certo é o que nos faz feliz e dá prazer. Tudo o mais é inveja da felicidade alheia.

Leia também
Para discutir sobre assédio, documentário "Chega de Fiu Fiu" é exibido neste sábado em Caxias do Sul
Zé Ramalho relembra sucessos da carreira, neste sábado, em Nova Prata
Agenda: Emelly e Nicoli Polli são atração no La Cueva nesta sexta, em Caxias
Agenda: Taru exibe o documentário "Hype" nesta sexta-feira em Caxias
Agenda: Skank se apresenta nesta sexta em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros