Ciro Fabres: vira o jogo,Caxias - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião30/08/2018 | 08h46

Ciro Fabres: vira o jogo,Caxias

A administração pública enxerga gastos em tudo, onde deveria vislumbrar a possibilidade de o caxiense aproveitar mais sua cidade

Leio que a administração municipal está suspendendo a Feira sem Fronteiras, na Praça das Feiras. É um atestado de que o espaço não vingou. Não deixa de ser surpreendente. Há algumas deficiências, como ter muito pouco verde, quase nenhuma árvore adulta capaz de proporcionar sombra no verão, por exemplo. Mas, se não é um espaço completo, a Praça das Feiras é generosa, capaz de funcionar como boa área para convivência, para programações organizadas e razoavelmente estruturadas capazes de atrair os moradores. Ainda assim, a Praça das Feiras está subutilizada.

É uma dificuldade de Caxias. Há quase uma cultura, que afasta os moradores dos espaços da cidade. A administração pública enxerga gastos em tudo, onde deveria vislumbrar a possibilidade de o caxiense aproveitar mais sua cidade. Neste caso da Praça das Feiras, por exemplo, foi lembrado que há custos para instalar banheiros químicos, custo para instalar equipamentos de som, custo para mobilizar agentes da Guarda e da Fiscalização de Trânsito. No entanto, na coluna dos benefícios, nenhum apontamento é feito, e criar e consolidar espaços de programações culturais e de convivência faz um bem danado para a saúde da cidade e de seus moradores. Mas tudo é custo... Faz parte da cultura da cidade.

Leia mais
Após queda de público e expositores, Feira Sem Fronteiras será repensada em Caxias
Ciro Fabres: pobre Dante
Ciro Fabres: a roda-gigante

Há outros espaços nobres em Caxias desaproveitados para a convivência. O aproveitamento do Centro é melancólico, sem nenhuma visão estratégica. As praças principais estão aos cacos. Tudo isso faz aumentar a insegurança. Na relação com o meio ambiente, há problemas graves. Estão aí nas calçadas os resultados das podas que, a pretexto de evitar conflitos entre galhos e rede elétrica, mutilam árvores que são patrimônio urbano e ambiental. Despejos industriais seguem jogados nos arroios da cidade.

Boa parte da população tem uma relação utilitária com a cidade. Falta carinho, falta contato, falta descobrir a cidade, tratá-la bem, falta aproximar os moradores. Neste final de semana que passou, realizou-se em São Paulo intensa programação da Virada Sustentável, que aproxima as pessoas das cidades. A Virada é um movimento de mobilização para a sustentabilidade, um ambiente mais sustentável, capaz de gerar cidades mais agradáveis para se viver, capaz de promover debates, programações culturais e produzir impacto social em diferentes áreas, como a urbana, a ambiental, a cultural, de mobilidade, inclusão, lazer, convivência. 

Caxias precisa fazer sua virada, com urgência. E pode fazê-la. Mas ela só surgirá por meio de uma simbiose entre moradores, órgãos públicos, pessoas físicas, empresas, universidades e organizações sociais que se interessem por essa virada. A cidade merece. 

Os caxienses precisam acordar para a sua cidade. Está na hora de virar o jogo, Caxias.

Leia também
"A Festa", dirigido e escrito por Sally Potter, estreia em Caxias
Memória: Edifício Selenium, o irmão gêmeo do Antares

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros