Marcos Kirst: esse deserto sem fronteiras  - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião02/07/2018 | 13h49

Marcos Kirst: esse deserto sem fronteiras 

 A possibilidade de estarmos, nós, terráqueos, sós no universo, beira à casa dos 85% 

Estamos sós. Após tantas especulações, depois de tanto investimento em pesquisas astronômicas e astrofísicas, após tantos debates e dezenas de centenas de milhares de relatos de possíveis encontros e de supostos avistamentos, após tantos filmes e livros de ficção-científica, parece que, a bem da verdade, a humanidade é mesmo a única expressão de vida inteligente existente em todo o universo. Ao menos, essa é a conclusão a que chegaram recentemente três (obviamente inteligentes) cientistas da Universidade de Oxford, que se dedicaram a analisar minuciosamente as leis da probabilidade que entram em cena quando a questão é admitir ou não, na teoria, a existência de outras civilizações habitando outros planetas em distantes galáxias. Conforme o resultado do estudo, é bom irmos nos acostumando com a ideia: o quintal do universo é todo nosso. Não temos vizinhos. Estamos sós. 

Leia mais
Marcos Kirst: um dilema ao pé do vulcão
Marcos Kirst: salve a data e a língua!

Os autores do estudo são Anders Sandberg, pesquisador do Instituto Futuro da Humanidade, da Universidade de Oxford; o engenheiro Eric Drexler, responsável por popularizar o conceito de nanotecnologia; e Tod Ord, professor de Filosofia também em Oxford. Detalhando as coisas, o trio de humanas inteligências científicas demonstra que, apesar do incontestável fato de existirem bilhões de galáxias no universo, e que cada uma dessas galáxias contempla a possibilidade (a possibilidade, ressalte-se bem, e não a certeza inequívoca) da existência em seus sistemas solares de planetas habitáveis, e que em alguns desses trocentos milhões de planetas habitáveis pode ter surgido vida, e entre essas tantas vidas poder haver vida inteligente, apesar disso tudo, nada, absolutamente nada, mas nadica de nada e nadinha garante que de fato ela exista fora daqui da Terra. E dizem mais, os três impiedosos inteligentes cientistas oxfordianos: asseguram que a possibilidade de estarmos, nós, terráqueos, sós no universo, em termos de expressão de vida inteligente, beira à casa dos 85%. Mas que barbaridade, diria um solitário e silencioso Blau Nunes à noite, a sorver sua cuia de chimarrão enquanto observa o céu estrelado das solidões pampeanas gaúchas. Que barbaridade! 

Porém, Blau Nunes, frente a isso tudo, não consegue evitar chegar à seguinte conclusão: se for levado em conta que o parâmetro atestado para classificar como "inteligente" determinada forma de vida for aquele que enquadra no topo da lista os seres humanos que habitam o planeta Terra, então, o mais correto seria afirmar que é o Universo inteiro quem está só, absolutamente só, deserto e inabitado. Que barbaridade!

Leia também:
Codeca demite 36 funcionários em Caxias 
Merendeiras protestam contra mudança em benefício de alimentação em Caxias
Falta de manutenção em calçadas prejudica passagem de pedestres em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros