André Costantin: Sai, Tite - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião 26/07/2018 | 08h21Atualizada em 26/07/2018 | 11h29

André Costantin: Sai, Tite

Gritar algo como "sai, Temer" é fácil e até divertido, estando o nosso vampirão lá em Brasília

André Costantin
André Costantin

andre@transe.com.br

Engana-se o leitor que julga ser esta uma crônica de futebol. É apenas um micromanifesto, solitário e irrelevante. Sabe aquela voz fora do tom no coro da igreja?

Mal acabava a derrota do Brasil na Copa do Mundo e os editoriais do país começaram a entoar um cântico sagrado, puxado pelo narrador oficial da nação: "Fica, Tite". De início passei imune, alienado que ando. Mas a cantilena é tão dominante que é preciso alguém dizer o contrário: sai, Tite.

Leia mais:
Tite segue no comando da Seleção Brasileira até a Copa de 2022
André Costantin: vin que béca (a cultura do vinho)
André Costantin: Brasilzinho

Razões, há: 7 x 1 sepultado, estreamos outra vez de salto alto no mundial; saímos abanando e rolando nas quartas de final. Em todos os jogos entramos dormindo em berço esplêndido e só acordamos no segundo tempo, ai que preguiça, até que os canarinhos belgas passaram voando e nos avisaram que estávamos de novo atrasados.

Nosso craque dos pés de barro foi endeusado, entrou em cena mimado pelos seus "parças", deixou a festa mais enfeitado ainda, fora da lista dos 10 melhores do mundo. E ainda piorou nosso índice global do complexo de vira-latas: somos o que sempre fomos, agora com o ativo simbólico de cai-cais do planeta.

Nosso técnico bancou hasta el fin um centroavante que, como Jesus, era um espírito na área, e assim sendo não poderia chutar a bola. Ele precisava de apenas um gol para telefonar à mamãe ao vivo em honra da publicidade de um pesado patrocinador da seleção. O treinador ainda levou e megavalorizou um goleiro que na hora do vâmo-ver não fez nenhum milagre – e milagres, por Jesus, fizeram todos os grandes goleiros da Copa.

Vésperas da Rússia, nosso professor com escala probatória no Corinthians – o centrão do futebol brasileiro – deu entrevista com status de presidente da república no Jornal Nacional: metAs, objetivOs, efetividadE, planejamentO, concentraçãO, harmoniA, valOres, moral e cívica & outras lições motivacionais com tais entonações foram irradiadas aos corações do Brasil: deu no que deu.

Gritar algo como "sai, Temer" é fácil e até divertido, estando o nosso vampirão lá em Brasília. Complicado é desnudar os pés de um santo que foi colocado no altar de uma capela do interior da serra, junto a São Braz.

Segue o coro nacional: "fica, Tite". Talvez porquê não há quem mais, nesse deserto de pessoas e ideias que nos tornamos. Mas, e o Temer? Logo ali estará sem agenda oficial. Técnico Temer. Talvez ele fale melhor o idioma da turma da CBF. Com o jeitinho dele, na inércia, certo que chegaremos às oitavas no Catar.

Leia também:
Disputa eleitoral reaproxima PSDB e prefeito Daniel Guerra
Após ter plantão pediátrico rejeitado por Conselho de Saúde, prefeitura quer reforçar atendimento na UPA da Zona Norte

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros