Nivaldo Pereira: Com asas nos pés - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião25/05/2018 | 15h18Atualizada em 25/05/2018 | 15h18

Nivaldo Pereira: Com asas nos pés

Como prender quem sente alegria em juntar gente?

Nivaldo Pereira: Com asas nos pés Charles Segat/Charles Segat
Foto: Charles Segat / Charles Segat
Nivaldo Pereira
Nivaldo Pereira

nivaldope@uol.com.br

Cadê o geminiano que estava aqui? Foi ali, ver a banda passar, ver o barco correr, ver o dia raiar. Foi ver o que há, foi viver para contar. Foi assuntar para saber de tudo, ou quase tudo, no rumo da flecha nômade de uma rosa dos ventos biruta, sob o fluxo de uma rajada que mal sopra e já quer mudar. Ai, ai, destino de quem tem asas nos pés e no olhar...

Cadê ele? Foi num pé e volta noutro, ligeirinho, ligeirinho, feito saci em redemoinho. Está ali, está aqui, pregando peça, fazendo troça, criando chiste, curtindo a massa, driblando a fossa. Foi ali e volta já, foi buscar maracujá, atrás do palhaço, sendo palhaço também. Atento à desatenção, foi dispersar o sério, desanuviar o denso e afrouxar o riso. Ah, esse moleque saltimbanco! Quem segura um espírito eternamente menino?

Ele saiu daqui e foi acolá, aprender novas palavras e fazer outras mais belas, tirado a poeta, meio sério, meio fingidor, inteiramente buscador. Foi atrás da palavra que lavra, para extrair o ar do mar. Achará a palavra que prende o pensamento que voa? E aquela que nomeia o inominável? O que é o que é? O que será que será? Ó mente sempre inquieta: sossega, que a vida é dúvida. Será?

Mas cadê o filho do deus Hermes que estava aqui? Oh, já zarpou, já “sartou”. Azulou no vento. O zap chamou, a campainha tocou, o táxi chegou. E lá se foi ele negociar ideias, vender conversas, anunciar tendências e medir temperaturas com sua fala vertida em mercúrio líquido. Um dito espirituoso aqui, um comentário ali, tudo é motivo de uma nova prosa, e toda esquina logo se torna sua casa. Como prender quem sente alegria em juntar gente?

Então, cuidado com ele, ó exclusivistas! Seu charme airoso traduz “my love” por “mozinho” e põe no bolso qualquer coração, mas não o imaginem preso. Asas não podem se encolher em corcundas. Deixem-no flanar nas ruas até a praça colorida onde histórias se cruzam e o novo sempre vem. Deixem-no respirar e renovar seu baú de grandes novidades.

Vejam, lá vem ele com muito para contar. E vamos sentar, que a prosa será longa.

Leia Também:
Guadalajara, Guadalajara: confira o que cidade mexicana tem de melhor
Nivaldo Pereira: Tempo de Diálogo
Doces feitos com pinhão? Claro que sim!
Confira duas receitas para se deliciar com a semente neste outono
Confira duas saborosas receitas para preparar com pinhão
Confira as dicas do maquiador Fernando Torquatto para arrasar na maquiagem 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros