Marcos Kirst: quem merece ser picado? - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião07/05/2018 | 08h00Atualizada em 07/05/2018 | 08h00

Marcos Kirst: quem merece ser picado?

O que aconteceria se esses poderes fossem dados a um preguiçoso, a um ególotra?

"Com um grande poder, vem uma grande responsabilidade". A frase, carregada de verdade e de sabedoria, ficou famosa e ganhou o mundo a partir da década de 1960 do século passado, ao ser proferida por Tio Ben ao seu sobrinho, o adolescente Peter Parker, já na revista de estreia do Homem-Aranha (uma história em quadrinhos), nos Estados Unidos. Tio Ben estava prestes a morrer pela ação de um bandido tresloucado que minutos antes o recém superpoderoso aracnídeo, alter-ego de Peter, deixara fugir ao vê-lo cometer um roubo à mão armada, "por não ter nada a ver com aquilo". O bandido escapa e acaba assassinando o tio do Homem-Aranha, que até então só estava usando seus novos poderes para proveito próprio. Depois da tragédia, Parker passa a vestir o manto de "herói" assim que decide usar com grande responsabilidade o grande poder que recebera por acaso, ao ser picado por uma aranha radioativa em uma aula de química, no Ensino Médio.

Mas aí vem a questão (pois são necessárias questões para embalar em responsabilidade estas crônicas de segunda). E se o Destino, esse semeador de incongruências, tivesse direcionado a picada da aranha radioativa a um destinatário desprovido do alcance da sabedoria de um Tio Ben e destituído de força de vontade, haveria super-herói salvando o mundo das ações do mal? Ora, no universo dos quadrinhos, quando um superpoder é conferido a uma pessoa sem caráter, ela logo se transforma em supervilão, a ser combatido pelos super-heróis, imbuídos de ética e senso de justiça. Mas o que aconteceria se esses grandes poderes fossem conferidos a um preguiçoso, a um niilista ególotra, sem a mínima vontade de vestir uma máscara e sair do sofá da sala a perseguir bandidos e distribuir sopapos?

Felizmente, nenhuma aranha radioativa picou a mão de Bartleby, o escriturário insubordinado e ocioso criado pelo escritor norte-americano Herman Melville (1819 - 1891), que entrou para a história da literatura entoando o mantra "prefiro não fazer". Ele concorreria em inatividade heroica com o niilista absurdamente estático Meursault, criado pelo escritor francês Albert Camus (1913 - 1960) em seu livro "O Estrangeiro". Nenhum deles usaria o grande poder com grande responsabilidade, isso é certo. No âmbito da vida real, que é o cenário em que a ficção pretende fazer incidir os reflexos daquilo que elucubra, é preciso ardentemente almejar que aqueles raros privilegiados dotados com o acesso aos grandes poderes saibam agir com grandes responsabilidades. Mas, pelo que se tem visto, esse tipo de coisa é mais presente na ficção.

Leia também
Vereador barrado em escola registra BO contra Secretaria Municipal de Educação de Caxias
Após denúncia de pais e professores, comissão faz visita a quatro escolas infantis em Caxias do Sul
Projeto de reconstrução de asilo que pegou fogo em Vacaria não saiu do papel
Padre Ezequiel Dal Pozzo é suspeito de ter agredido ex-namorada em Caxias do Sul

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros