Gilmar Marcílio: mente e mãos - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião18/05/2018 | 14h37Atualizada em 18/05/2018 | 14h37

Gilmar Marcílio: mente e mãos

O homem que aspira à completude pensa e age, não vê demérito em usar suas mãos

Durante muitos anos, fiquei absorvido apenas com o mundo das ideias. Dedicava algumas horas ao trabalho diário e o restante do tempo entregava-me ao prazer da leitura e do cinema. Cresci cercado de tias que, junto com minha mãe, se encarregavam dos afazeres domésticos. Como num passe de mágica, a casa estava sempre limpa e as refeições postas à mesa. Desde cedo adquiri respeito pelas pessoas que participavam dessas tarefas tão pouco valorizadas e que, no entanto, garantem o nosso bem-estar. 

Mas nunca fui chamado a participar ou mostrei interesse em aprender algo que se relacionasse a isso. Foram necessários quase cinquenta anos para que me desse conta da importância de desenvolver algumas habilidades nessas áreas. Hoje posso dizer, com orgulho, que sei cozinhar, lavar, passar e limpar. E normalmente faço isso com renovado prazer. São momentos de fadiga, mas também de inserção nas engrenagens da existência. Aprecio cada vez mais a ideia de cansar o corpo, aliviando o cérebro de suas exaustivas e ininterruptas atividades. Quando colocamos nossos músculos em ação, abdicamos desse fluxo incessante de pensamentos que tantas vezes é fonte de ansiedade e apreensão. É como se autorizássemos a nós mesmos um plano de sobrevivência mais gentil, distribuindo equilibradamente as nossas capacidades.

Faço estas digressões depois de ser lembrado por meu amigo Ademar Sebben do famoso princípio vitruviano: "Mens et Manus". Mãos e mente. O romano Marcus Vitruvius Pollio (80 a.C – 15 a.C.), autor da famosa obra De Architectura, acreditava que os artistas (mas também as pessoas comuns) deveriam não só ser criativos, como desenvolver a capacidade de aprender. Só podemos falar sobre aquilo que fazemos. Isso significava ir além da teoria. Uma concepção que, de certa maneira, coincide com os pressupostos renascentistas. E que se choca cada vez mais com o que se preconiza na nossa época, em que os especialistas são extremamente respeitados e os que se interessam pelo que há em campos diversos são olhados com desconfiança, categorizados como diletantes. Meu talento, se por acaso tenho algum, é o de saber juntar com certa experiência e felicidade algumas palavras. Não falo outras línguas e não sei tocar nenhum instrumento musical. Desconheço canto e dança. Consolo-me ordenando o espaço que habito, fazendo com que meu cotidiano dependa cada vez menos dos outros para encontrar ordem e garantir um mínimo de conforto. Aprendi, com o grande mestre budista Thich Nhat Hanh, que uma das melhores formas de meditar é estar presente nas ações que repetimos em nosso dia a dia. Assim o é de fato, comprovo-o eu mesmo.

O homem que aspira à completude pensa e age. Não vê demérito em usar suas mãos. Observa o movimento e nele se insere. Nada desdenha, pois sabe que tudo pertence à categoria do essencial. Reflete e interage. Sabe que existe beleza tanto em criar uma sinfonia quanto em preparar seu alimento. Não existem hierarquias mais ou menos nobres, mas tão somente 

Leia também
17 empresas da Serra serão agraciadas com o Prêmio Exportação RS
"Busco uma rainha da Festa da Uva moderna", diz Miss Brasil que participa de júri nesta sexta
Saiba quem são os 11 jurados que vão eleger a próxima rainha da Festa da Uva

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros