Gilmar Marcílio: dê vazão à preguiça, mesmo que dure apenas horas - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião04/05/2018 | 09h00Atualizada em 04/05/2018 | 09h00

Gilmar Marcílio: dê vazão à preguiça, mesmo que dure apenas horas

Qual foi a última vez que você olhou para o céu? 

Qual foi a última vez que você olhou para o céu? Ou tem andado tão ocupado que acha isso uma perda de tempo? Se a resposta for afirmativa, permita-me discordar, pois as horas mais bem gastas são aquelas que nos distraem das obrigações cotidianas e nos deixam devaneando, em busca de riquezas que não podem ser guardadas em cofre algum. Acomodar o corpo sobre a grama orvalhada, relaxar os músculos e a alma e simplesmente contemplar. Este manto coalhado de estrelas me comove sempre e é como se um silêncio apaziguador invadisse meu ser. Os pensamentos parecem abandonar a mente e quase se pode tocar o vazio, numa doce sensação de que voltamos a pertencer a tudo. 

Leia mais
Gilmar Marcílio: privacidade
Gilmar Marcílio: a favor da correnteza
Gilmar Marcílio: a vida, enfim  

O brilho incandescente de cada pequeno ponto luminoso nos acalma, como se nosso destino não fosse senão observar. Na semana que passou, o espetáculo parecia mais belo ainda, pois uma lua cheia e dourada exibia-se para nosso deleite. Parecia o brinquedo de um imenso carrossel a encantar crianças e adultos. A comover poetas que pisavam em poças d’água, absortos de si, bebendo o espetáculo que se renova todos os dias e que tantas vezes insistimos em não ver.

E então lembrei de uma crônica do Sérgio Faraco, grande escritor do Alegrete que dizia: "O professor Ênio Campos... Lembro-me vagamente de vê-lo caminhar, mãos para trás, cabisbaixo, olhos profundos e escuros que só se erguiam para sondar as noites estreladas. "Felizmente os agiotas não são donos das estrelas", escreveu o professor, pois se o fossem "eu teria de pagar juros a vida inteira". Ler algo assim sempre me deixa mais feliz. E tudo o que parecia tão importante simplesmente desaparece diante de mim. Que pouca importância tem a última negociata política ou a queda de juros determinada pelo Banco Central. Perseveramos em viver como imortais, esquecendo que nos equilibramos sobre os fios da fragilidade. Fascinados pelo poder, louvamos o que perece e contamina o verdadeiro significado de nossa passagem por aqui. 

E nos regozijamos em dizer aos amigos que somos práticos e focados no que realmente conta. Gosto de deixar poucos rastros, compondo manhãs de nada fazer. Há tanta beleza em pisar leve e apenas sussurrar. Em não ser responsável pelo destino de ninguém, senão quando acolhemos como exercício de compaixão. 

Amar o firmamento não é devaneio juvenil. Suspender a respiração pelo encantamento que provoca cabe aos seres maduros. Os que passaram pelos ciclos da vida e sabem o que merece ser carimbado com o selo da permanência. Nesta época outonal, não ocupe todos os minutos. Dê vazão à preguiça, promova pequenos feriados, mesmo que durem somente duas ou três horas. Não morra antes da morte física. É possível conhecer a transcendência agora mesmo. Considero isso uma bonita maneira de rezar. É possível que, sem saber, estejamos ajudando a salvar o mundo, pois essas pequenas alegrias fazem parte do calendário da eternidade. 

Leia também
Por mês, secretaria de Trânsito de Caxias recebe cerca de 30 solicitações de bloqueio de vias
Comissão do Senado aprova criação de prêmio em homenagem à menina Naiara, morta em Caxias do Sul
Flores da Cunha aguarda 30 mil visitantes no dia de Corpus Christi
Confira a charge do Iotti desta quinta-feira
Intervalo: boas perspectivas para o Caxias Basquete

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros