Frei Jaime: afetos que dão vida - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião04/05/2018 | 05h30Atualizada em 04/05/2018 | 05h30

Frei Jaime: afetos que dão vida

Os costumes mudam, os tempos se adequam às novidades, a cultura aceita acréscimos, mas o essencial permanece

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

Bom Dia! A claridade anuncia a chegada de um novo dia... Hoje é sexta-feira, a 1ª sexta-feira do mês.... Que o nosso coração seja manso e humildade, semelhante ao coração de Jesus. Mansidão e humildade fazem um bem enorme à alma... Que o coração possa ficar longe das mágoas e dos ressentimentos... Se tem coração é para amar, somente amar... 

"Daquele abraço bati uma foto que se revelaria em mim para sempre." (Neusa Fante). 

Os costumes mudam, os tempos se adequam às novidades, a cultura aceita acréscimos, mas o essencial permanece. O ser humano está sempre em movimento, em busca de satisfazer as necessidades. Porém, mesmo tendo o suficiente, há uma busca por algo maior, mais profundo, mas nem sempre identificável. Na verdade, a busca pelo infinito é inerente ao sentido da vida. Ninguém será plenamente humano se não vivenciar momentos de ternura e de afeto. Um abraço pode transformar um dia, uma história, uma vida inteira. A agressividade nunca formou humanos equilibrados. Os mal amados carregam consigo um desconforto que é maior que o próprio currículo. Saciar a fome material é um desafio, uma responsabilidade inerente ao cotidiano. 

Porém, dar conta da sensibilidade e da necessidade de carinho é uma tarefa grandiosa, uma responsabilidade diante da existência. O ser humano precisa de um olhar, de um elogio, de uma abraço, de um carinho. Sem o equilíbrio afetivo, a carência se instala e se propaga. Cresce, de forma assustadora, o número de pessoas carentes, que facilmente se  tornam 'mendigos de afetividade', percorrendo outras ruas, sentando em outras calçadas, redesenhando outros sonhos. A troca de afetos poderia ser levada mais a sério. A maior parte das pessoas se limita a providenciar as coisas materiais. 

Tem muitos pais que não deixam faltar nada, mas não entregam um olhar, um abraço, um elogio, um carinho. Por mais que a tecnologia aproxime as pessoas, o toque sempre será único e insubstituível. Há idosos aguardando um pouco de tempo, um ouvido atento, um sorriso transbordante. Ninguém deveria viver como estranho com aqueles que a vida se encarregou de aproximar. Ainda bem que tem abraços inesquecíveis, palavras eloquentes, gestos insubstituíveis. Que o afeto continue se misturando com o cotidiano. 

Bênçãos! Paz & Bem! Santa Alegria! Abraços!


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros