Natalia Borges Polesso: a pedrada  - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião 03/04/2018 | 09h00Atualizada em 03/04/2018 | 09h00

Natalia Borges Polesso: a pedrada 

Muitas pedradas, direcionadas a alguém ou algo, compõem o que podemos chamar de apedrejamento

Natalia Borges Polesso

nbpoless@gmail.com

 Matéria mineral dura e compacta, lapidada pelo tempo físico e atmosférico, a pedra é um elemento portátil. Não a rocha, a pedra, digo, que compõe solos, montanhas, rochedos, e que compõem também a ira, é um elemento portátil.

 Leia mais:
Natalia Borges Polesso: viagem noturna 
Natalia Borges Polesso: 8M
Natalia Borges Polesso: terra arrasada 

Isto é, pode ser transportada, inclusive em uma mão. Uma pedra pode também ser lançada, o que podemos chamar de pedrada. Toma-se uma pedra na mão, empreende-se força com um movimento integral de braço e, em sua culminância, lança-se a pedra ao mundo.

Quando fora do nosso controle, a pedra não é mais nossa. A pedra volta a ser do mundo. Isto é, dominamos a pedra para nos desfazermos da pedra.

Muitas pedradas, direcionadas a alguém ou algo, compõem o que podemos chamar de apedrejamento.

O apedrejamento era uma forma de execução muito comum . No caso, lançava-se pedras a alguém até este alguém morrer. Em geral, uma pessoa suporta golpes ,muito fortes sem perder a consciência, portanto o apedrejamento produz uma morte muito lenta e dolorosa.

Os crimes cuja condenação era o apedrejamento seriam sacrifícios, culto a divindades pagãs, crimes sexuais, adultério, estupro, não-virgindade no casamento (da parte da mulher apenas, é claro), incesto, invocação aos mortos, blasfêmia, rebeldia dos filhos.

Em alguns países o apedrejamento ainda é tolerado como pena.

No Brasil, movido por um parcial clamor popular, o apedrejamento foi, recentemente, reintroduzido como pena. Não é a lei de papel que diz. É uma lei tácita, acordada por alguns, bem como a incitação de outras penas tão retrógradas. E me parece lógico, embora horrendo, que se queira estar acima da lei neste momento, afinal, o golpe é jurídico.

Porém, no Brasil, não há alvos. Minto, todos somos alvos em potencial, de pedradas reais ou simbólicas.

Este é o mesmo país cuja canção dizia ser o país do futuro.

Pois, lá longe, onde vai a pedra lançada, eu vejo um futuro de atrasos. Um Brasil cheio de passados à vista. Ainda viveremos a grande inquisição brasileira, com direito a fogueiras e apedrejamentos.

As pedras estão lançadas.

Protejam-se.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros