Marcos Kirst: inteligência não é adorno - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião02/04/2018 | 09h00Atualizada em 02/04/2018 | 09h00

Marcos Kirst: inteligência não é adorno

O axioma indiscutível vem da mente brilhante de um renomado diplomata australiano

A inteligência não passa de mero adorno se não produzir ações criativas. A sentença é profunda e causa efeito imediato no leitor, assim que lida, e foi com a intenção de não ofuscar seu brilho natural que decidi começar esta crônica de segunda com ela, abrindo mão do uso das aspas com as quais conviria ladeá-la do início ao fim, uma vez que se trata da citação de outra pessoa, e não uma criação original do autor destas mal-digitadas. Releiamos, pois, agora a frase com as devidas aspas, degustemos o conteúdo de seu propósito e concedamos de imediato os devidos créditos, antes que venhamos a amealhar glórias indevidas.

"A inteligência não passa de mero adorno se não produzir ações criativas" (agora com as devidas aspas para preservar a autoria e com a repetição induzida a fim de reforçar o conceito). O axioma indiscutível advém da mente brilhante de um renomado diplomata australiano chamado Reginald Allen Leeper (1888 – 1968), que esteve presente aos faustosos trabalhos relativos à compilação do Tratado de Paz que pôs fim à Primeira Guerra Mundial, documento concluído em 1919 e que ficou conhecido como o Tratado de Versalhes. Ao proferi-la, o ilustre membro da delegação britânica procurava insuflar em seus colegas oriundos de várias partes do mundo a se unirem no propósito de produzir um tratado cujos termos concorressem para a criação de um mundo melhor do que aquele do qual emergiam após quatro tenebrosos anos da mais cruel e sangrenta guerra jamais vivenciada até então pela humanidade. 

A prática, pautada pelo egoísmo, a ganância e a tendência para a trapaça que regem a natureza humana, varreu para baixo do tapete os bons propósitos contidos na sentença e deu margem para a eclosão, 20 anos mais tarde, de outro conflito ainda pior, como bem sabemos.

Mas isso não tira o mérito e nem deslustra a boa intenção contida na frase de Mr. Leeper, uma vez que ela tem potencial para ser aplicada a diversas áreas da ação humana. De minha parte, interpreto-a como um convite à responsabilidade dirigido a aquelas pessoas que desfrutam de acesso ao conhecimento, à cultura e à educação, tornando-se “inteligentes”. Um convite para que usem essa inteligência para propósitos criativos e construtivos, civilizatórios, ao invés de transformar a inteligência, o saber e a cultura em poderosos instrumentos para disseminar ódios, fraudes, preconceitos, ataques gratuitos, geração de inverdades e aprofundamento das desumanidades. Conhecimento traz responsabilidade, mas ela precisa gerar frutos positivos. Estamos fartos de gênios do mal.

Leia também
Prefeito de Caxias do Sul não comparece ao depoimento na comissão do impeachment
"Vamos ver fábricas de notícias falsas nas eleições", acredita especialista em checagem de fatos

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros