Marcos Kirst: as quatro liberdades - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião16/04/2018 | 09h00Atualizada em 16/04/2018 | 09h00

Marcos Kirst: as quatro liberdades

Sonhar com o melhor é o principal combustível que nos permite seguir adiante 

Estaremos definitivamente perdidos quando abandonarmos nossa capacidade de sonhar com um mundo melhor. Apesar de todos os horrores, apesar de todas as mazelas, apesar da escuridão que se abate sobre os dias, apesar das dificuldades angustiantes, apesar das pedras que brotam no caminho, apesar do florescer dos ódios e do fenecer da poesia, precisamos nos agarrar à esperança de que nossos atos pessoais, embasados nos ensinamentos ancestrais pautados pela ética e pela civilidade, serão capazes de reorientar o rumo do processo, se somados aos de muitos que não se vergam ao clamor individualista do "cada um por si". 

Sonhar com o melhor é o combustível que nos permite seguir adiante mesmo quando rodando sobre o pior, que pode sempre ainda pior ficar, como bem sabemos.

A fim de colocar lenha nesse combustível positivo, vale lembrar o discurso que o então presidente dos Estados Unidos Franklin Roosevelt proferiu à sua nação em 6 de janeiro de 1941, quando o mundo se horrorizava com o auge da Segunda Guerra Mundial, conflito que logo tragaria também os Estados Unidos para o olho do furacão do combate ao nazismo e ao fascismo. Roosevelt lembrava os norte-americanos que, caso entrassem na guerra (o que de fato o fizeram), seria com o objetivo de defender a causa da liberdade, e elencou quatro tópicos que ficariam conhecidos como "as quatro liberdades humanas essenciais", a saber: liberdade de expressão, liberdade de culto, liberdade de viver sem passar necessidade e liberdade de viver sem medo. 

Mais tarde, esses conceitos seriam evocados e influenciariam os termos da Declaração dos Direitos Humanos e da Carta das Nações Unidas, tamanho o poder definidor das aspirações humanas que possuem. São aspirações poéticas, elevadas e que embalam bons sonhos, fundamentais para contrapor a cruel realidade, que conduz cada vez mais para a direção oposta.

No caso do Brasil, a realidade prática aponta para um verdadeiro pesadelo acordado, diametralmente oposto às quatro liberdades evocadas pelo discurso. A liberdade de expressão é mal compreendida, mal utilizada e a censura está sempre rondando; a liberdade de culto (e de crenças e de opções pessoais em geral) sofre constantes ataques dos intolerantes e cultuadores do ódio e da discriminação; a de viver sem passar necessidade e a de viver sem medo falam por si aos corações de cada brasileiro, vergados a uma rotina de miséria, disparidade social, corrupção e violência. Mas é preciso sonhar e seguir fazendo nossa parte no cotidiano, para que a maionese não desande por completo. 

Se é que já não... 

Leia também
Prefeito de Caxias do Sul não comparece ao depoimento na comissão do impeachment
"Vamos ver fábricas de notícias falsas nas eleições", acredita especialista em checagem de fatos

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros