Gilmar Marcílio: força - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião27/04/2018 | 08h00Atualizada em 27/04/2018 | 08h00

Gilmar Marcílio: força

O corpo e a alma possuem a fantástica capacidade de se autorregularem

Nossa época poderá ser lembrada como a da conquista dos direitos individuais e de uma consequente obrigação à felicidade. Passamos a olhar com encantamento para o próprio umbigo e a exigir nosso lugar ao sol, num mundo cada vez mais abarrotado de criaturas famintas de si mesmas. Há mérito e patologia nisto, como em quase tudo. Se avançarmos um pouco na questão, encontraremos outra referência a nos definir: adoramos nos medicar. Um espirro e lá vamos nós em busca do comprimido mágico. Pode ser o balconista mesmo a indicá-lo. E se as dores forem menos explícitas — digamos, emocionais — o socorro virá em forma de consultas ao psiquiatra. Usados com parcimônia, estes recursos representam uma evolução em nossa maneira de minimizar o que nos atormenta. Ou alguém sente saudade (tendo vivido ou não) dos hospícios e das extrações dentárias a seco?

Leia mais
Gilmar Marcílio: privacidade 
Gilmar Marcílio: a favor da correnteza
Gilmar Marcílio: a vida, enfim  

O que estamos esquecendo, e isso está nos tornando mais fracos e imediatistas, é que o corpo e a alma possuem a fantástica capacidade de se autorregularem. Excetuados aqui os casos extremos em que a intervenção de um profissional ajuda a empurrar a morte para longe. Mas, na ordem dos dias, quando somos acometidos por pequenas tristezas ou por dores perfeitamente suportáveis, deveríamos ter um pouco mais de paciência. A natureza se encarrega do resto. É impressionante o que temos à nossa disposição e ignoramos, como se fosse atributo restrito aos mais fortes. Basta deixar o tempo agir, é ele o melhor remédio, o consolo pelo qual não conseguimos mais esperar. Há uma sabedoria que nasce das entranhas de cada um. Como se um exército invisível labutasse a nosso favor. Mesmo diante de dolorosas perdas afetivas, é sempre possível reencontrar o equilíbrio, algo que nos devolva a alegria e a vontade de seguir. Terceirizar incondicionalmente a cura é fazer pouco da nossa capacidade regenerativa. É desconhecer o potencial que abrigamos em nosso interior.

É claro que o caminho das soluções rápidas é mais sedutor. Expulsar o sofrimento é um sinal inequívoco de que pulsamos em busca de energia e potência. Mas não podemos esquecer que muitas vezes não fazer nada é o melhor recurso. É como se as engrenagens que nos movem precisassem de descanso para continuar o seu trabalho. Basta parar e acompanhar o fluxo das coisas. O que hoje me dilacera pode ser o expediente necessário para expulsar o que originou o mal, a enfermidade. Esse processo não obedece à ordem da razão. É algo mais instintivo, atávico, que nos acompanha desde sempre. Não é capturado pela linguagem e não se torna mais acessível aos intelectualmente privilegiados. Faz parte do pacote inaugural de cada um. Basta tomar consciência que existe e dele usufruir.

O corte sempre cicatriza. A angústia é encoberta pela serenidade. Quem deve prescrever a receita é você. Não existe médico mais eficaz.

Leia também
Por mês, secretaria de Trânsito de Caxias recebe cerca de 30 solicitações de bloqueio de vias
Comissão do Senado aprova criação de prêmio em homenagem à menina Naiara, morta em Caxias do Sul
Flores da Cunha aguarda 30 mil visitantes no dia de Corpus Christi
Confira a charge do Iotti desta quinta-feira
Intervalo: boas perspectivas para o Caxias Basquete

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros