Marcos Kirst: Se vampiro, vampiro total - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Opinião29/01/2018 | 12h16Atualizada em 29/01/2018 | 12h16

Marcos Kirst: Se vampiro, vampiro total

A credencial para poder ingressar no original evento era aparecer fantasiado

Certa vez, décadas atrás, fui a uma festa à fantasia. Não é só a Fátima Bernardes quem faz dessas, não. Li a notícia sobre a apresentadora global travestida de Mulher-Gato em uma festa desse quilate, dias atrás, e, ao invés de logo me somar às hordas criticosas que não pensam duas vezes antes de arremessar as pedras que parecem portar preventivamente nos bolsos, nesses tempos em que externar ira se tornou a tônica essencial do ser ("odeio, xingo, bato, logo, existo", é o novo mantra), parei e pensei sobre mim mesmo, que tenho telhado de vidro e, portanto, não posso arremessar pedra alguma. E nem o faria, pois não sofro da síndrome de catapulta.

Mas deixemos a Mulher-Fátima-Gato-Bernardes de lado e falemos de mim. Deu-se o fantasioso ocorrido lá pelos anos 1980, quando contava eu a singela idade de uns 14 ou 15 aninhos. Uma colega de aula decidiu promover em sua casa uma festa à fantasia num sábado à tarde e convidou a turma toda. A credencial para ingressar no evento era, como ficou explícito no convite, aparecer fantasiado. Há anos eu possuía uma chapa de plástico com dentes de vampiro, que encomendara pelo correio, e era a oportunidade que eu tinha de colocá-la em ação: iria de vampiro. Conivente (como sempre), minha mãe ajudou: passou gel em meus cabelos, repuxados para trás; pintou rugas salientes em minha testa; empalideceu-me com talco; criou olheiras com rímel; confeccionou a capa vermelha com uma saia antiga. Eu ainda recortei em cartolina preta dez unhas compridas que colei nos dedos com durex e pintei um bigode. Dráculakirst foi à festa, e arrasou!

A questão é que, dedicado ao papel a que me propusera, eu encarnei o personagem a festa inteira. Não tirei a chapa em momento algum e, assim, vi-me, ao final do ágape, privado de ter comido o bolo, os croquetes, os brigadeiros, os pasteizinhos (e não, não mordi nenhum pescoço, eu ainda era um Draculinha inocente). Bebi Minuano Limão de canudinho, e foi só. Percebi então que havia me dedicado de corpo e alma ao papel que decidira representar, e o fiz do início ao fim. Que é como deveria ser ao longo da vida inteira: dedicarmo-nos de corpo e alma aos papeis que optamos por assumir. Se decidimos ser pais, que o sejamos de corpo e alma. Se decidimos ser profissionais, que o sejamos integralmente. Políticos, maridos, esposas, estudantes, cidadãos... Nem que para isso tenhamos de abrir mão de algumas guloseimas e ficarmos só no canudinho ao qual o papel escolhido nos restringe. Precisamos vivenciá-lo de corpo e alma. Afinal, não se pode ser um vampiro meia-boca.

Leia também
Frei Jaime: coloque o pé que o universo coloca o chão
Nivaldo Pereira: sonhos de futuro
Tríssia Ordovás Sartori: correr na rua

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros