Frei Jaime: o portão aberto - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião09/01/2018 | 08h21Atualizada em 09/01/2018 | 08h21

Frei Jaime: o portão aberto

Escolher e confirmar um jeito de viver é uma decisão muito importante

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

A vida sempre será um grande presente. Sentir-se agradecido é o ponto de partida para fazer as coisas deslancharem. A falta de gratidão pode roubar energias e neutralizar o entusiasmo. 

"Viva como se alguém tivesse deixado o portão aberto"

Escolher e confirmar um jeito de viver é uma decisão muito importante. Além disso, a vida supõe liberdade. Se existe vida, a liberdade deve estar presente. Não são poucas as situações em que a própria pessoa constrói prisões, apesar do anseio por liberdade. 

Viver como se alguém tivesse deixado o portão aberto é experimentar o que existe de mais simples e espontâneo. A liberdade deixa a pessoa leve, ágil, em paz consigo mesma. Porém, algumas situações fogem da própria vontade. Nem sempre a busca pela liberdade é bem sucedida. Apesar de todos os empecilhos, é possível viver a liberdade interior, num espaço que independe da interferência dos outros. 

Ter um coração livre é simplesmente fabuloso. Poder pensar o que convém, é incrível. O mundo das obrigações e das imposições sociais pode ser driblado: cumpre-se o que deve ser feito, sem que seja roubada a liberdade do coração. Os dias seguem a normalidade e até uma certa rotina. 

Ser criativo é a maneira mais adequada para ultrapassar algumas barreiras e viver com os portões abertos, com aquela sensação de poder ir e virm, na tranquilidade de quem entendeu que há um espaço apropriado para vivenciar o que o mundo não oferece. Independente do lugar onde cada um se encontra, é possível respirar liberdade e transpirar alegria.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros