Marcos Kirst: um pato nem sempre pato é - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião31/12/2017 | 11h56

Marcos Kirst: um pato nem sempre pato é

Meu desejo de Ano-Novo segue no sentido do desmantelamento da intolerância

Primeiro de janeiro, mais uma vez. Outro ano novo se inicia, uma vez mais. Nessa data, voltamos a elencar desejos de que esses próximos 365 dias que nos aguardam venham repletos de mais coisas boas do que de ruins. Mentalizamos esse desejo para nossas próprias vidas e para as das pessoas queridas que compõem o nosso entorno, já que o nosso bem-estar as afeta positivamente e vice-versa. É assim que as coisas são e um novo ciclo se repete, no qual, provavelmente, a despeito de nossos genuínos desejos, seguiremos sendo testemunhas da sucessão de descalabros que a humanidade é capaz de protagonizar contra si mesma desde que ela existe no âmbito da (in)civilização. Fazer o quê...

Nesses tempos marcados pela intolerância e pela contínua colisão frontal entre as certezas absolutas de alguns contra as certezas também absolutas e contrárias de outros, talvez fosse interessante sonhar com a humanidade dando, enfim, um passo decisivo e concreto rumo à edificação da civilização dentro do real conceito do termo. Meu desejo de Ano-Novo, que proporcionaria anos novos e uma nova era, vai no sentido do desmantelamento da intolerância em favor da aceitação calorosa das diferenças que trazemos dentro de cada individualidade e que, no somatório, é o que nos faz tão fascinantes e singularmente humanos. Meu mundo ideal orbita um sistema planetário em que as pessoas não pensam igual, não agem igual e não se exige delas que o façam; lá, as pessoas não são classificadas por rótulos derivados de sua cor, de sua raça, de seus gostos pessoais, da nacionalidade que portam, da conta bancária que possuem, da profissão que exercem, do gênero a que pertencem, da opção sexual e afetiva pela qual optaram, das crenças que professam, do manequim que vestem. Lá, as pessoas são respeitadas, admiradas e valorizadas pelos seres únicos que cada uma delas é. Ali só não se tolera a intolerância.

Nesse recém-findo ano de 2017 aprendi uma novidade que me ajudou a compreender melhor esse conceito. Lendo uma reportagem a respeito de Carl Barks (1901 – 2000), um dos principais roteiristas norte-americanos dos gibis de Walt Disney, descobri que o Pato Donald, na verdade, é um ser humano com aparência de pato. Ou seja, ele não é um pato, apesar da aparência. Na verdade, ele age e reage tipicamente como o fazem os seres humanos, com suas raivas, vontades e surpresas. Nem sempre um pato aparente é mesmo um pato em essência. As aparências não só enganam: elas não significam absolutamente nada. Que possamos um dia aprender esse conceito tão simples. Um bom 2018 a todos!

Leia também
Sem fazer previsões, taróloga caxiense recomenda que fim de ano seja usado para revisões de projetos de vida
Frei Jaime: que bênção estar aqui, nesse momento da história!

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros