Marcos Kirst: A animação dos inanimados - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião20/11/2017 | 13h15Atualizada em 20/11/2017 | 13h21

Marcos Kirst: A animação dos inanimados

As canetas nunca estão onde deveriam estar para que nos sirvam devidamente

Nós, madama, seres animados e racionais que somos, parecemos passar grande parte de nossas existências dedicados à tarefa contínua e interminável de transportar de um lugar para outro todos aqueles seres inanimados que nos cercam, e que costumam ser maioria. Não, madama minha, não me refiro àquele seu sobrinho que se imobiliza no sofá a tarde inteira e não se mexe mesmo quando cutucado com a vassoura para que levante e pelo menos vá tirar o lixo uma vez na vida para ajudar um pouco, pelamordedeus! Não, na verdade, me refiro aos seres inanimados mesmo, às coisas sem vida, aos objetos que criamos para que nos sejam úteis, mas que só o são quando reposicionados nos lugares em que deveriam estar mas nunca lá estão, a não ser quando levados por nós.

As canetas podem servir de exemplo fácil para ilustrar a essência da teoria irrelevantista que pretendemos traçar hoje nesta desfilosófica crônica de segunda. Elas, as canetas, nunca estão onde deveriam estar para que nos sirvam com a devida utilidade para a qual foram concebidas. Precisamos sempre trazê-las para que nos ajudem a fazer a lista de compras de supermercado, ou traçar as contas de final de mês. Elas sabem que precisamos delas sazonalmente nesses momentos, mas jamais se apresentam voluntariamente ao alcance de nossas mãos para o serviço. Precisamos sempre buscá-las, nós, os seres animados, a elas, essas determinadas inanimanças.

Outro exemplo vigoroso para ilustrar a tese são as compras de mercado. Quanto serviço, quanta energia gasta entre as prateleiras nas quais os produtos repousam e seu derradeiro estar dentro de nossas casas. Primeiro, depositamos todos eles dentro do carrinho, que conduzimos por entre as gôndolas. Depois, içamos todos para fora a fim de passá-los, um a um, pelo leitor de código de barras operado pela moça do caixa. Feito isso, ensacamos a turma e os depositamos todos de novo dentro do carrinho, que agora conduzimos até nosso automóvel, estacionado no pátio do mercado.

Abrimos o porta-malas, tiramos do carrinho e metemos tudo lá dentro, um a um. Ao chegarmos em casa, se moramos em prédio relativamente organizado, retiramos os produtos do porta-malas e acomodamos tudo dentro do carrinho do condomínio. Subimos a nosso apartamento, tiramos tudo do carrinho e finalmente levamos cada artigo para seu destino final em nosso lar.

Alguém aí contou quantos movimentos foram necessários para animar os inanimados? Que trabalho, hein, madama? Desanimador, eu diria! Opa, madama... Volte! Para onde a senhora pensa que está levando esta de segunda de hoje?

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros