Marcos Kirst: Cuidado, ele já entrou! - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião30/10/2017 | 09h39Atualizada em 30/10/2017 | 09h39

Marcos Kirst: Cuidado, ele já entrou!

Até bem pouco tempo atrás, quem cumpria o papel era o saudita Osama Bin Laden

Na verdade, só mudam o nome e a nacionalidade, mas a essência é sempre a mesma. Hoje em dia, a nacionalidade dele é norte-coreana e seu nome é Kim Jung-Un, presidente ditatorial vitalício da nação asiática. Até bem pouco tempo atrás, quem cumpria o papel era Osama Bin Laden, o saudita fundador e líder da organização terrorista al-Qaeda, a quem se atribui o planejamento e a execução de atentados como o das Torres Gêmeas nos Estados Unidos, em setembro de 2001. Laden deixou o posto ao ser assassinado em uma operação secreta comandada pela CIA. Mas houve muitos antes dele, revezando-se ao sabor das necessidades norte-americanas de manter sempre na mira a figura do "inimigo público internacional número 1".

A lista pode ser facilmente preenchida quando nos dedicamos a relembrar um pouco o cenário da política internacional das últimas décadas. Antes do explodidor de bombas atômicas norte-coreano e do líder terrorista saudita, o papel foi desempenhado (mesmo que à revelia e a contragosto) por diversas figuras hoje históricas. Vamos a algumas delas, só para ilustrar e refrescar a memória: Saddam Hussein, do Iraque; aiatolá Khomeini, do Irã; Muamar Khadafi, da Líbia; Kim Jong-il, também da Coreia do Norte, pai do atual líder daquele país; Idi Amin Dada, de Uganda; e até mesmo os sul-americanos Hugo Chávez, da Venezuela, e Fidel Castro, de Cuba, integraram o time. Durante o período da Guerra Fria, em que os mundos capitalista e comunista rosnavam um contra o outro, não faltaram líderes de países comunistas a se verem instalados no desconfortável trono, como os do Vietnã do Norte que entraram em refrega direta contra os Estados Unidos e vários dirigentes soviéticos como Nikita Kruchev e Leonid Brejnev, apelidados pelos norte-americanos de comandantes do "Império do Mal". 

Direcionar os temores mundiais, as frustrações e os ódios latentes contra figuras internacionais que pressupostamente encarnam o mal é uma estratégia antiga e surrada, usada à larga pelas nações líderes, a fim de se manterem no topo da orquestra, dando o tom da sinfonia, que deve tocar as valsas no compasso que elas desejam. Os Estados Unidos são experts em criar supervilões internacionais que sejam constantemente combatidos, até porque, existe uma indústria armamentista que gera lucros astronômicos e precisa ser alimentada. A pergunta que não quer calar, porém, nesses dias hodiernos, é: e o que fazer quando o “inimigo público internacional” parece estar sentado no Salão Oval da Casa Branca, travestido de presidente? Xiii...

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros