Gilmar Marcílio: Com humor e imaginação - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião15/09/2017 | 08h00Atualizada em 15/09/2017 | 08h00

Gilmar Marcílio: Com humor e imaginação

Misture êxtase e sofrimento e você começará a entender o que significa a palavra matrimônio

Digno de inveja seria o ser humano capaz de descobrir a receita para um relacionamento amoroso que atravessasse, sem arranhões, algumas décadas. Desconfio que esse desejo de perfeição há de permanecer para sempre como desejo, fadado a não se concretizar nunca. O que não nos impede de continuar apostando: namoramos, casamos, temos filhos. Mesmo neste mundo de possibilidades e experiências quase infinitas, vemos tantos acreditando no mais tradicional dos compromissos. Moram juntos como uma experiência, um teste, um ensaio. Mas sonham com mais. Querem-se bafejados com a sorte grande: encontraram o amor de suas vidas. Mas a realidade se encarrega de mostrar, em não poucos casos, que o tempo desconstrói esta certeza. O cotidiano doméstico e suas múltiplas exigências desfaz a utopia dos eternamente apaixonados. A cólica de um bebê, o limite do cartão de crédito que extrapola, o emprego perdido... O real cobra do idealista a lucidez e somente os muito preparados não dão fim a este contrato, comemorando, agora, o divórcio. 

Se você ainda acredita, diante de tantas evidências, que é possível apostar no sucesso das uniões estáveis, assista ao magnífico filme Monsieur e Madame Adelman, do diretor Nicolas Bedos. Acompanhará a graça, inteligência e nuances psicológicas brilhantes, o encontro e a despedida final de dois seres fadados a rir e a chorar juntos ao longo de muitos anos. A se adorarem e odiarem — em muitas situações, concomitantemente. Intelectuais e amantes da arte, encontram nas palavras uma maneira de sentir e interpretar a realidade que os cerca. Com ironia e sarcasmo, tentam enganar o tédio para manter intacto o assombro do primeiro olhar, da plenitude sexual. Sem ignorar, no entanto, o chamamento do ordinário, do que amesquinha a poesia de quem está enamorado. Resistem às crises, às separações, aos sinais de desgaste que aparecem com o surgimento das rugas e o desaparecimento dos cabelos. São famintos no querer, mesmo quando traem. Trapaceiam, voltam a acolher-se ao se sentirem tragados pela solidão. Apreciam a cobiça alheia quando o sucesso é deles. Ridicularizam-na quando é o contrário. Atormentam-se e se afagam. Não sabem ficar distantes, mesmo abrindo cortes na alma de quem dizem idolatrar. 

 Você pode conceber algo mais próximo de nós do que isso? Afinal, nem sempre as cenas emblemáticas da nossa existência vêm acompanhadas de pungentes solos de violino. Misture êxtase e sofrimento e terá início a sua compreensão do que significa a palavra matrimônio. É isso que comove na trajetória de Sarah e Victor. O caminho para tanta resistência é dado nesta formidável frase que deveríamos decorar (e praticar) desde muito cedo: "Com um pouco de humor e imaginação, o que acontece entre duas pessoas vale mais que todos os prêmios." 




 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros