Frei Jaime: Quando as palavras emudecem - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião04/09/2017 | 07h30Atualizada em 04/09/2017 | 07h30

Frei Jaime: Quando as palavras emudecem

A tristeza tem o pode de silenciar e de provocar encolhimentos

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

Avida vai acontecendo na sucessão de acontecimentos. Em alguns dias, a alegria é por demais presente; em outros, a tristeza parece acampar no pátio existencial, sem nenhuma perspectiva de retirada. Uma coisa interessante é que os grandes sofrimentos enchem o coração de dor e os olhos de lágrimas, mas tornam escassas as palavras. 

"Tem dores que são sentidas profundamente, quase rasgando a alma, mas não pronunciam sequer uma palavra."

A tristeza tem o pode de silenciar e de provocar encolhimentos. Uma pessoa que sempre foi comunicativa deve prestar atenção se, em algum momento, as palavras sofrerem uma considerável diminuição. Quantos que usam as lágrimas para falar das suas profundas dores. É bem verdade que faz um bem enorme derramar algumas lágrimas, pois na sequência, o alívio parece fazer renascer um novo jeito de viver. 

Conhecer os sofrimentos e dar-se conta de que os mesmos são passageiros é uma forma de não emudecer totalmente. Por outro lado, é importante aceitar que a vida pessoal tenha lá seus momentos exigentes, que fazem sofrer profundamente. Sempre haverá um aprendizado anexado às dores. Nenhum sofrimento é em vão. Porém, a habilidade de como lidar em tais momentos fará uma grande diferença. 

O desespero simplesmente impede a descoberta de alternativas de superação. Se algum dia as palavras não estiverem disponíveis, será conveniente recordar que as grandes dores são, de fato, mudas. Mas elas passam e abrem espaço à maturidade e à sabedoria. 

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros