Ciro Fabres: Desapego aos animais - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião21/09/2017 | 13h52Atualizada em 21/09/2017 | 13h52

Ciro Fabres: Desapego aos animais

Mais perdido do que cachorro em mudança, diz o ditado

Os animais têm lá suas diferenças de personalidade. Diante das situações, uns agem de um jeito, outros, de forma diferente. Uns são mais dóceis, outros, mais sérios, uns, mais aventureiros. Os animais de rua têm de se virar na marra, o dia deles é uma arriscada aventura a cada passo. De uma maneira geral, porém, animais demonstram apego à rotina, a zonas de conforto, e se desorientam com alterações imprevistas de roteiro.

Mais perdido do que cachorro em mudança, diz o ditado. Pois é. Ficaram bastante perdidos, e desorientados, 51 cães e 11 gatos que foram abandonados agora, nas mudanças das famílias que viviam nos bairros Santa Fé e Cidade Industrial para o residencial Rota Nova. Ainda que orientadas previamente, e movidas também — mas não somente — pela restrição de espaço que a vida em apartamento produz, não hesitaram essas famílias em se desfazer dos animais que lhes faziam companhia e lhes devotavam fidelidade, deixando-os à própria sorte. Tomaram essa decisão. Esse comportamento é frequente também em famílias que abandonam cães à beira de estradas, especialmente a Rota do Sol, quando viajam em férias.

Em algum momento, em alguma fração do olhar, em algum giro de cabeça, em algum movimento distraído, esses animais compreendem que aquelas pessoas que lhes eram tão familiares já não estão mais ali. Cai a ficha. E tentam encontrá-las, e não a localizam. E se desorientam, e aquilo deve ser um golpe. Mas precisam seguir a vida. É comportamento comum entre nós. Que "desapego" sem tamanho, vamos dizer assim.

Enquanto tudo isso acontece, não é simples a tarefa de encontrar outra cidade que manifeste tamanha má vontade com os pombos de sua região central como Caxias do Sul. A ponto de pretender retirá-los da convivência urbana sob argumento de que causam doenças. Uma questão, no mínimo, altamente controversa. Há quem diga que sim, há quem diga que não. Os pombos produzem sujeira, é certo, como todo ser vivo e todo ser humano, em especial. Mas parece não haver descontrole, a ponto de pessoas sentarem na Praça Dante, especialmente crianças, a observá-los e a encantar-se com eles. Como assim é nas praças de cidades importantes mundo afora, na Europa em particular, onde se concentram milhares de pombos, onde fotos são tiradas com eles, e não se sabe da intenção de removê-los. Mas aqui... Aqui parece que a decisão de retirar os pombos do Centro é questão de dias. 

Há uma frase atribuída ao pacifista e político indiano Mahatma Gandhi: "A grandeza de um país e seu progresso podem ser medidos pela maneira como trata os animais."


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros