O homem da projeção: José Luis de Almeida cuida do telão no Palácio dos Festivais desde 1980 - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Festival de Cinema24/08/2017 | 10h39Atualizada em 24/08/2017 | 10h39

O homem da projeção: José Luis de Almeida cuida do telão no Palácio dos Festivais desde 1980

Ele é o responsável pelo andamento de toda a programação que os espectadores do festival assistem na telona

O homem da projeção: José Luis de Almeida cuida do telão no Palácio dos Festivais desde 1980 Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Exatamente entre as duas portas de acesso ao cinema do Palácio dos Festivais há uma misteriosa parede de vidro coberta por uma cortina preta. Atrás dessa cortina, de costas para os holofotes do tapete vermelho, está José Luis de Almeida, 64 anos. 

Ele é o responsável pelo andamento de toda a programação que os espectadores do festival assistem na telona. Trabalha como projecionista em Gramado há 37 anos.

Seu Zé Luis, como é conhecido, é um paulistano formado em Engenharia Eletrônica Industrial que se encantou pelo cinema ainda moleque. Com 14 anos, já estava enfiado na cabine do Cine Candelária, na Vila Maria, interessado em saber como tudo funcionava.

— Eu ia para o cinema e ficava lá, frequentava todas as matinês — conta.

Depois de formado como engenheiro, foi trabalhar na Kodak e brigou para tomar conta do setor de projeção. A partir daí, nunca mais se afastou das cabines de projeções, assistindo de perto a toda a modernização dos cinemas no Brasil. Aliás, não combina nem um pouco com Zé Luis a imagem romântica do projecionista, às voltas com rolos de filmes e envolto na magia do cinema por ofício.

— Sou muito moderno, gosto de tecnologia, não de nostalgia — justifica, incisivo, acrescentando que não sente saudade das épocas do rolo, aliás, costumava ter medo de morrer com um deles despencando em sua cabeça.

Assim como o projecionista é contratado para vir a Gramado todos os anos nesta época, ele também comanda a telona de mais de 30 festivais de cinema pelo país. E mesmo com todas as novidades do cinema brasileiro à disposição, por conta do trabalho, o gosto pessoal do profissional pende mais para os filmes estrangeiros. O projecionista curte mesmo assistir a épicos de décadas passadas no cinema que mantém na própria casa, em São Paulo.

— Meu filme preferido é O Egípcio (1954) — aponta, descrevendo à reportagem toda a história do roteiro.

Nem os famosos que costumam frequentar os festivais de cinema empolgam Seu Zé Luis. Profissional, ele não costuma tietar ninguém, mas confessa ter a sorte de ser amigo de alguns famosos, como Dira Paes, que receberá o Oscarito em Gramado amanhã. Pertinho da badalação dos festivais, Seu Zé Luis revela que o trabalho na sala de projeção é, na verdade, bem solitário.

— Aqui não vem ninguém, só no Cine Paradiso que a guria foi lá beijar o cara na sala de projeção — brinca.

Hoje

A atriz argentina Soledad Villamil recebe o Kikito de Cristal.


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros