Ciro Fabres: João Sem Medo - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião05/07/2017 | 09h39Atualizada em 05/07/2017 | 09h39

Ciro Fabres: João Sem Medo

Segunda-feira agora, fez 100 anos que João Saldanha nasceu no Alegrete

A esta altura, em um país em que o apego à memória e à história é escasso e pouco cultivado, não muitos devem saber quem foi João Saldanha. Pois Saldanha era o que anos mais tarde se convencionou chamar de "faca na bota". No caso, não era exatamente faca, mas um revólver de estimação que manuseou algumas vezes em entreveros públicos nos quais se metia. Gaúcho de Alegrete, João Saldanha conseguiu a proeza de fazer a cidade onde também eu nasci antecipar em 45 anos um sentimento vivido hoje por Caxias do Sul: o sentimento de ter um de seus filhos como técnico da Seleção. Hoje, Tite, àquela época, Saldanha. Ele comandava um esquadrão formidável, que classificou o Brasil para a Copa de 1970, a Copa do tri, ganhando todos os jogos. Saldanha era o Tite, só que muito mais explosivo.

Corria 1969, ano de Eliminatórias e auge da ditadura militar, e Saldanha, além de técnico da Seleção, era comunista do histórico PCB, o Partidão. Assim, recebeu de um famoso amigo seu, Nelson Rodrigues, jornalista como ele, a alcunha de João Sem Medo. Faz todo sentido.

Segunda-feira agora, fez 100 anos que João Saldanha nasceu no Alegrete. João Sem Medo faz falta em tempos turvos como os nossos. Talvez fosse melhor dispensar o revólver, ou talvez não — essa discussão é interminável. Mas ele não silenciaria. Ficou célebre uma resposta sua ao então presidente da triste figura, general Emílio Médici, que queria ver o centroavante Dario, depois Dadá Maravilha, na Seleção. "O presidente manda no ministério, na seleção mandou eu", desferiu Saldanha.

Os 100 anos do João Sem Medo chegaram no mesmo dia do aniversário de minha mãe, que se foi há quatro anos. A coincidência do calendário é forte o suficiente para destampar a memória, para recuperar marcas que aos poucos se apagam, pegadas por ruas alegretenses. Atravessava a cidade para comprar as figurinhas da adolescência em um bar na mesma calçada da casa onde nasceu Saldanha. Aquela revelação despertava na gurizada admiração e uma reverência compartilhadas. Era um casarão na José Bonifácio, com varanda acima do nível da rua, que está lá até hoje. Saldanha nunca mais retornou ao Alegrete. Circulava à época uma lenda urbana excitante: a de que, se o Brasil fosse campeão no México com Saldanha, ele levaria todos os jogadores à cidade. Não foi possível conferir: como era provável por seus arroubos e destemores, ele saiu antes.

A mãe se foi, Saldanha se foi. A lição de não ter medo persiste. O Alegrete segue por lá. Se deixar, as marcas se apagam com o tempo. É preciso cuidar delas. 

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comParceria com iniciativa privada permitiu estruturação do espaço no HG, em Caxias https://t.co/gdYSQdnaiv #pioneirohá 5 horas Retweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comHomem é encontrado morto, em Caxias do Sul https://t.co/ryVKfYIXlQ #pioneirohá 5 horas Retweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros