Nivaldo Pereira: Gêmeos e o Brasil - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião09/06/2017 | 15h00Atualizada em 09/06/2017 | 15h29

Nivaldo Pereira: Gêmeos e o Brasil

 Nossa ética é a dos afetos exagerados

Nivaldo Pereira: Gêmeos e o Brasil Charles Segat/
Foto: Charles Segat
Nivaldo Pereira
Nivaldo Pereira

nivaldope@uol.com.br


  • No mapa astrológico do Brasil, Gêmeos está destacado por uma conjunção entre a Lua e Júpiter neste signo. Em astrologia mundial, área que estuda os mapas de nações — e o Brasil "nasce" a 7 de setembro de 1822, às 16h30min, em São Paulo —, a posição da Lua é indicadora do povo, seu jeito de ser mais geral. Como um coletivo geminiano, somos múltiplos povos misturados. 

  • Somos leves, comunicativos e receptivos. A conjunção com Júpiter acrescenta fé, otimismo e muito bom humor. Festeiros e sincréticos, surpreendemos o mundo com a mistura criativa que fazemos das diferenças. Mas Júpiter é também indicador da ética e da moral. Rege Sagitário, oposto de Gêmeos, e, quando posicionado neste último, o planeta fica inadequado. Com isso, nossa ética pode ser frouxa e sujeita às circunstâncias. Nossa moral, ambígua. Eis nossa dor como povo.

  • Leia mais
    Miura, carro esportivo que virou mania nacional nas décadas de 1970 e 1980
    Valdir dos Santos abre mostra neste domingo
    Pedro Guerra: Eu odeio o WhatsApp
    Atrações musicais para todos os gostos ocorrem neste domingo

  • A junção entre os princípios da emocional Lua e do filosófico Júpiter encontra sintonia na teoria do homem cordial de Sergio Buarque de Holanda, pela qual temos um "fundo emotivo extremamente rico e transbordante". Nossa ética é a dos afetos exagerados. Emoção no comando, podemos ser solidários e gentis num instante, para logo depois querer matar quem nos fechou no trânsito. Informais ao extremo, detestamos regras e não sabemos separar o público e o privado. É dessa informalidade mercuriana — evocando o astuto deus associado a Gêmeos — que vai surgir um traço tão charmoso quanto desprezível do caráter brasileiro: o famoso jeitinho.

  • Por essa visão torta, que mal há em driblar a lei, subornando o guarda para não multar? Qual o problema de um singelo "gato" no cabo da tevê? Por que não o apoio daquele amigo influente para quebrar nossos galhos burocráticos? E assim seguimos, deliciosamente malandrinhos, mas discursando inflamados sobre o mal maior do país: a corrupção lá dos políticos.

  • Os lúcidos incomodados perguntam: como sair desse padrão nefasto? Só pela educação, a face luminosa de Gêmeos. Mas, como tantos outros, esse tema vive de palavras e promessas. Ainda.

  •  

    Veja também

    Pioneiro
    Busca
    clicRBS
    Nova busca - outros