3por4: Prefeitura diz que fim do Financiarte não é cogitado, mas não convence comunidade cultural caxiense - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Pressão06/06/2017 | 12h12Atualizada em 06/06/2017 | 18h12

3por4: Prefeitura diz que fim do Financiarte não é cogitado, mas não convence comunidade cultural caxiense

Reunião convocada pelo Conselho Municipal de Política Cultural lotou a Sala de Cinema Ulysses Geremia na noite de segunda

3por4: Prefeitura diz que fim do Financiarte não é cogitado, mas não convence comunidade cultural caxiense Luciana Stello/Divulgação
Cerca de 140 pessoas participaram da reunião, ocorrida na noite de segunda Foto: Luciana Stello / Divulgação

— A gente não trabalha com a hipótese de não ter Financiarte. É sim ou sim. 

A fala é de Wagner Carsten, diretor artístico das unidades da Secretaria da Cultura de Caxias que representou a secretária Adriana Antunes na noite de segunda, na reunião convocada pelo Conselho Municipal de Política Cultural que lotou a Sala de Cinema Ulysses Geremia. Carsten ocupou o cargo que era de Tita Sachet recentemente, e foi o escolhido para a representar a secretária, que não pôde comparecer. A ausência de Adriana Antunes, aliás, foi muito criticada pela comunidade cultural presente na reunião.

— Eu participei do Financiarte, eu sou artista, sou ilustrador há alguns anos. A secretária de Cultura é artista, a assessora dela é artista, as unidades artísticas todas têm artistas envolvidos, todos nós sabemos o que é ser artista, batalhar pela arte. Financiarte é o projeto mais importante da Secretaria da Cultura — sentenciou o representante da prefeitura.

Leia mais:
Exposição coletiva "Horror" apresenta trabalhos dedicados ao lado mais sombrio do ser, em Caxias do Sul
Exposição coletiva "Horror" apresenta trabalhos dedicados ao lado mais sombrio do ser, em Caxias do Sul
Natalia Borges Polesso: Nos queremos vivas


O discurso, porém, não acalmou os ânimos dos presentes, que temem pelo fim do Financiarte por conta do rombo nos cofres públicos causado pelo caso Magnabosco. A presidente do Conselho de Política Cultural, Caliandra Troian, foi enfática:

— Queremos a informação clara, meia palavra não nos serve.

O produtor cultural e MC Chiquinho Divilas fez um dos discursos mais fortes, convidado para falar em nome das manifestações populares, pasta da qual é representante dentro do conselho.

— Automaticamente, quando se investe em cultura, se está investindo na saúde, na educação e na segurança. Isso não é novidade para ninguém aqui dentro, a gente percebe evolução dia a dia nas periferias. A cidade que não investir em cultura terá os reflexo na ruas, com altos índices de criminalidade e drogadição. Esse sangue vai sim respingar e escorrer por debaixo das portas não só da periferia, mas da classe média, do Centro, em todos os lugares — disse ele, que fez ainda um rap com letra defendendo o Financiarte (veja abaixo).

O produtor cultural e cineasta Robinson Cabral fez questão de reforçar que o Financiarte é uma lei, não um acordo.

— A pessoa diz que vai implementar a cultura e ferra com a Festa da Uva, com o carnaval, com o MTG, isso é conversa de louco. Não perceber isso é de uma fragilidade brutal. Se a gente deixar acontecer, vai acontecer. A lei do Financiarte não é um acordo entre cavalheiros, é uma conquista da sociedade civil — disse.

O encontro durou quase duas horas e teve discursos de várias artistas e produtores culturais da cidade. Os vereadores Rafael Bueno e Velocino Uez (ambos PDT) também estiveram presentes no encontro. Ficou decidido que o conselho emitirá um documento oficial solicitando uma posição contundente da prefeitura, inclusive com as datas previstas para o novo edital. O documento será endereçado ao prefeito Daniel Guerra (PRB) e ao presidente da Câmara de Vereadores, Felipe Gremelmaier (PMDB). O conselho também tem reunião marcada para esta quarta, com a Comissão de Educação e Cultura, e vai ocupar a tribuna da Câmara de Vereadores às 8h30min desta quinta. 


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros