Marcos Kirst: um dilema está à mesa - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião24/04/2017 | 08h26Atualizada em 24/04/2017 | 08h26

Marcos Kirst: um dilema está à mesa

"Conhecer-se a si mesmo é um conselho ofertado à humanidade há milênios"

A vida, às vezes, nos coloca diante de dilemas profundos que se camuflam sob um aparente véu de trivialidade. Esses pequenos dramas do cotidiano, quando analisados um pouco mais a fundo, sentados no sofá à noite ou durante a escovação das costas sob o jorro do chuveiro, podem nos oferecer vislumbres valiosos a respeito de aspectos constitutivos de nossas próprias essências, o que se torna uma ferramenta muito útil em ocasiões diversas. Conhecer-se a si mesmo é um conselho que vem sendo ofertado à humanidade há milênios e sempre é bom revalidar sua importância, mesmo que seja em crônicas de segunda como esta que palmilhamos agora juntos, brioso leitor e persistente leitora.

Dia desses de feriado, por exemplo, pulei da cama cedo (porque feriados foram feitos para serem aproveitados hora a hora e dormindo não as vejo passar) e logo atinei à ideia de retirar do congelador uma bandeja de filés de primeira, a serem devidamente trabalhados mais tarde, já descongelados, na hora do almoço. Um almoço de feriado requer atenções especiais, porque, afinal, é feriado e feriados são autojustificáveis para quase tudo. Feito isso, enquanto esquentava a água para o café da manhã, dei uma verificada na geladeira e na despensa, onde constatei a presença tranquilizadora de ingredientes suficientes para fazer daqueles filés um verdadeiro manjar sem ter de ir ao supermercado.

Leia mais
Pedro Guerra: quem tem medo de avião?
Nivaldo Pereira: sentidos taurinos
Gilmar Marcílio: para que serve um amigo

Havia cebola em profusão, havia temperos, havia arroz para o acompanhamento, havia creme de leite para a eventualidade de querer produzir um molho, havia óleo de girassol para a fritura, havia palmitos, havia extrato de tomate, havia mostarda, havia alcaparras, havia pimenta em grãos, havia champinhons, a coisa estava realmente sortida e bem fornida. Foi daí que estabeleceu-se o drama. Frente a tantas alternativas, o que fazer com os meus filés? Um estrogonofe era a pedida que saltava alegre na ponta da fila dos desejos gastronômicos; mas logo surgia a ideia de um suculento, simples e certeiro bife acebolado; ou, quem sabe, um filé ao molho de pimentão; ou, ainda, picar tudo em cubos e preparar um saboroso goulash... ou... ou... ai!

Simplesmente não conseguia decidir. A disponibilidade de ingredientes levava ao infinito o espectro das possibilidades e meus filés jaziam ali, perplexos, subjugados à inércia de minha indecisão. Era preciso obter uma lição daquela situação, e ela não demorou a vir. Guardei os filés ainda congelados de volta no freezer e saí para almoçar em uma churrascaria. Aprendizado: feriado não é dia para tomar decisões de envergadura vital.


 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comOrquestra de Sopros de Caxias do Sul será homenageada pela Câmara https://t.co/TZTj1r273J #pioneirohá 6 horas Retweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.com4ª edição do Dia da Toalha ocorre nesta quinta, em Caxias https://t.co/ifl3GE7rh7 #pioneirohá 6 horas Retweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros