Marcos Kirst: a hora certa do "sim" - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião20/03/2017 | 07h26Atualizada em 20/03/2017 | 07h26

Marcos Kirst: a hora certa do "sim"

Antes de dizer um ¿sim¿, há que se refletir, para que a anuência seja consciente

Nunca é tarde para aprender lições de vida. Nossos avós nos ensinam com sua larga experiência palmilhando as nuances da existência, é verdade. Aprendemos com eles se estamos dispostos a ouvi-los. Depende de nós saber sorver dos mais velhos a vivência que vão acumulando no transcorrer de suas jornadas e que generosamente compartilham. Se fazemos ouvidos moucos ao que nos dizem, azar o nosso. Bateremos com a cara contra a parede por conta e risco. Saberemos que dedo na tomada dá choque enfiando o dedo na tomada e arcando com a consequência (no caso, a dor do choque e a humilhação de termos sido avisados e insistido na patuscada). 

Leia mais
Frei Jaime: a vida não pergunta se você está cansado ou incompleto. Ela só espera que você siga em frente

Nivaldo Pereira: sentir como Peixes
Tríssia Ordovás Sartori: a contradição do vaga-lume
Francisco Michielin: atire a primeira pedra

No frigir dos ovos, tudo sempre depende de nós mesmos, de como nos posicionamos, das escolhas que fazemos.Eu, dia desses, aprendi que é preciso pensar um pouco antes de dizer "sim". Já estava na hora, afinal, faz anos que não cozinho mais na primeira fervura. E aprendi levando no lombo, para não citar outra região anatômica propícia a sentir as dores do aprendizado que se dá quando não se usa a sabedoria. Antes de um "sim", há que se refletir, para que a anuência seja consciente e suas consequências devidamente sopesadas. Mas não foi assim no momento em que meu afilhado de quatro anos de idade (quase cinco) resolveu passar o sábado na casa dos dindos, mochila nas costas, escova de dentes, mamadeira, cachorro de pano a tiracolo. 

Depois de várias aventuras inenarráveis, voltamos para casa após o almoço no shopping com um recém comprado livro de atividades em que havia figuras a serem destacadas e adesivadas nas páginas dos respectivos cenários: gatos, flores, abelhas, monstros amigáveis, corações, barcos lilases e assim por diante. Destacávamos as figuras e nos divertíamos tentando definir o melhor lugar no livro para grudá-las. Isso até o momento em que o afilhado decide fazer uma pergunta. "Posso colocar no seu quarto os adesivos, dindo"? Ora, sim, pode, ué. Imaginei que ele quisesse guardar no meu quarto o livro de adesivos. E disse "sim".

Foi o que bastou para que a cabecinha voasse corredor adentro e sumisse em silêncio no quarto por alguns minutos. Silêncio de criança requer investigação, já diziam nossas avós. Então, fui ver. Fui ver e deparei com as paredes de meu quarto totalmente redecoradas (na altura de meu umbigo) com dezenas de adesivos de monstros amigáveis, abelhas, barcos lilases, sanduíches... "Colocar no meu quarto" não significava "guardar o livro no meu quarto". Significava grudar os adesivos nas paredes. E eu disse "sim". Pelo menos, ficou bonitinho...

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comUnião De Zorzi é campeão do Municipal de Futebol Amador de Caxias do Sul https://t.co/oEKkfbZs8v #pioneirohá 9 horas Retweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comhttps://t.co/5yA7rFuOab https://t.co/sadDNhifRj #pioneirohá 10 horas Retweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros