"Vejo uma cena literária crescente", diz escritora de Bento Gonçalves que concorre ao Açorianos e ao Jabuti - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Entrevista07/11/2016 | 08h30Atualizada em 07/11/2016 | 08h30

"Vejo uma cena literária crescente", diz escritora de Bento Gonçalves que concorre ao Açorianos e ao Jabuti

Natalia Borges Polesso vive um momento especial: seu livro "Amora" recebeu recentemente o Prêmio Ages e está concorrendo a mais um Açorianos

"Vejo uma cena literária crescente", diz escritora de Bento Gonçalves que concorre ao Açorianos e ao Jabuti Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Natalia Borges Polesso vive um momento especial Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS
Maristela Scheuer Deves
Maristela Scheuer Deves

maristela.deves@pioneiro.com

Natalia Borges Polesso sempre gostou de escrever. Publicou em alguns blogs, revistas, portais e antologias, e em 2013, aos 31 anos, lançou seu primeiro livro solo, Recortes para Álbum de Fotografia Sem Gente. Alguns meses depois, no final daquele mesmo ano, a jovem escritora radicada em Caxias recebia o troféu Açorianos na categoria contos pelo livro. Três anos e dois livros depois, agora Natalia vive outro momento especial: seu terceiro livro, Amora, também de contos, recebeu recentemente o Prêmio Ages e está concorrendo a mais um Açorianos, além de disputar o tradicional Prêmio Jabuti - no qual concorre com nomes consagrados como Luis Fernando Verissimo e Rubem Fonseca.

— Essas reverberações são muito preciosas — analisa a escritora, que está concluindo o doutorado em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica (PUCRS) e também dá aulas particulares de inglês e de literatura, além de ministrar oficinas.

Leia mais
Confira as últimas notícias do Pioneiro
Biblioteca de Farroupilha incentiva retirada de livros sem ver a capa

Entre a torcida pelos prêmios e a correria de final de doutorado, Natalia ainda não tem planos definidos de lançamentos para o próximo ano. Porém dá pistas de que não vai ficar parada:

— Terminar um doutorado cansa. Mas meu caderninho tá cheio de anotações e ideias (risos), a gente sempre tem ideias. Enfim, planejei oficinas de escrita e de estudos literários para o verão, tanto aqui como em Porto Alegre. Estou trabalhando num projeto de literatura que não envolve um livro, mas envolve escrita, para ser realizado entre janeiro e março. E de resto estou pensando num romance que por enquanto é um monte de rabiscos, notas sem forma definida, o que é um bom começo.

Confira a entrevista concedida ao Pioneiro: 

Como você avalia esse seu atual momento literário?
É um momento de alegria e satisfação. Comecei a pensar o Amora no fim de 2013, uma pequena ideia, eu tinha alguns escritos, lia para amigas e amigos, mas nada estava definido. Foram dois anos de muito trabalho, leituras e reescritas, até o Amora-livro. Sinto que fiz um bom trabalho, e estar entre os finalistas é certamente um reconhecimento disso. Fico feliz ainda de encontrar nomes como o da Renata Wolff novamente - fomos colegas de final no prêmio Ages -, é bom saber que a conquista, além de pessoal, é compartilhada com outra mulher talentosa. 

O reconhecimento trazido por esse tipo de prêmio influencia na aceitação pelos leitores?
Creio que sim. O Amora está com uma boa aceitação em geral, mas os prêmios e as indicações influenciam, sim. Estava na banca da editora, na Feira do Livro em Porto Alegre, há uns dias, e vi algumas pessoas perguntando quais eram os livros finalistas do Açorianos, por exemplo. Essas reverberações são muito preciosas. A gente sabe que o mundo da literatura é meio restrito, fora das prateleiras dos best sellers, então, essa visibilidade que os prêmios carregam é ótima. 

Chama a atenção que o Açorianos de Literatura 2016 tem vários nomes caxienses concorrendo. Isso significa que as letras locais estão chegando a um novo patamar?
Já tivemos muitos nomes concorrendo ao Açorianos. O Marco de Menezes, por exemplo, levou em 2010, o livro do ano por Fim das Coisas Velhas. Acho que estamos participando mais efetivamente dessas coisas e acho que circulamos melhor também. Assim, vamos abrindo caminhos mais amplos atrás de quem cortou o mato com facão (risos). Nos últimos anos, vejo uma cena literária crescente aqui. Isso pode ser atribuído um pouco ao tanto de grupos e eventos de literatura que se estabeleceram na cidade. A quantidade de finalistas do Açorianos pode, sim, ser um indicador desse movimento. Ter o Pedro Guerra e a Camila Gobbi ali como companheiros é uma alegria imensa! Especialmente a Camila, porque esses nossos livros, o Amora e o Escombros, foram meio que feitos juntos, com leitura mútua, conversa, discussões. Fomos juntas buscar nossos pareceres do Financiarte, até! Essa final pra mim é duplamente gratificante. 

O que falta, ainda, na literatura produzida em solo gaúcho e, de modo particular, em Caxias do Sul?
Na produção, não sei julgar o que falta. No consumo, falta a gente se ler. Falta conhecer o trabalho de quem escreve nas margens, das produções artesanais, dos saraus, dos slams, da literatura de periferia, da literatura negra... Ah, acho que falta também crítica especializada, resenha. Compartilho o ponto de vista do Maikel de Abreu: em Caxias, especificamente, falta crítica. Falar sobre o trabalho em si. Não sobre o processo criativo, sobre o produto, o livro, a técnica, o tema, o enredo, a forma. 

De que forma o doutorado que você está finalizando influenciou na sua escrita literária?
Meu doutorado é em Teoria da Literatura, estudo literatura e cidade. Então, minha pesquisa está bem distante da minha produção literária. No entanto, a PUCRS tem uma linha de Escrita Criativa, dentro da qual cursei algumas matérias, participei de grupos de estudos, e principalmente dialoguei muito com colegas e professores. A discussão sobre o que e como se produz literatura hoje certamente influenciou meu trabalho. 

Amora tem sido descrito como um livro de temática lésbica; entretanto, você já declarou que, se fosse um livro de histórias de amor heterossexuais, esse ponto não seria destacado. A que você credita essa diferença de tratamento?
Há dois pontos: o primeiro diz respeito à marcação de um protagonismo lésbico. Os textos recriam relações de vários tipos, desde curiosidades infantis por figuras enigmáticas até amores na velhice, todos protagonizados por mulheres de diversas idades e contextos. O segundo diz respeito a um contraponto necessário: não são relações heteronormativas. Escrevi três livros, três livros que tratam, direta ou indiretamente, de relações lésbicas. Sim. Simplesmente porque minha experiência no mundo é uma experiência de mulher e de mulher lésbica, e eu ESCOLHI que escreveria sobre isso, porque eu acho importante que essa experiência seja vista, reconhecida e respeitada. É uma bandeira? Por que não? É uma escolha consciente? Sim. "Você quer escancarar o mundo lésbico?", foi a pergunta que recebi de um editor de uma revista à época do lançamento do Amora. Escancarar? Mundo lésbico? Parece que vivemos num universo à parte, que precisa ser escancarado pra ser visto. Respondi que a pergunta seria descabida se trocássemos "lésbico" por "hetero". De todo modo, é uma expressão necessária para mim, é parte da minha vida. É parte de como eu me relaciono com o mundo, com as pessoas, e eu não quero que esse fator seja apagado. Ele é importante. As relações não acontecem num ambiente amorfo, num fundo branco infinito, mas num espaço-tempo existente, que é o mundo, e o mundo tá cheio de, lésbicas, gays, trans, etc. 

Aliás, a literatura escrita por mulheres ainda sofre preconceito? Se sim, de que forma ele se manifesta, e como pode ser combatido?
Não sei se "sofrer preconceito" é o termo correto, mas existe, sim, um tratamento diferente, de menos-valia, talvez. Pode se manifestar no discurso crítico, acadêmico, social, de consumo, de legitimação, nos convites para feiras, falas, eventos, nas indicações a prêmios, no corpo docente das universidades. Esse assunto é complexo. Vou pensar nessa pergunta como sugestão para o próximo Escritas Daqui (encontros que debatem a literatura produzida em Caxias do Sul e capitaneados por Natalia).

Isso leva a outra questão: o ativismo na literatura ainda é algo necessário? Até que ponto, e por quê?
O ativismo é necessário em todos os âmbitos em que problemas precisam ser resolvidos. Se há problemas na literatura, é preciso marcar posição. Essa posição pode ser ideológica, estética, temática, crítica, social enfim... há maneiras e maneiras de estar no mundo. E às vezes é preciso dizer "ei, estamos aqui, tão vendo?" A Chimamanda Ngozi Adichie tem uma fala ótima sobre isso: "The danger of a single story". A literatura é um exercício de alteridade e eu quero conhecer esses tantos outros que estão por aí. 

Como escritora que também é professora, como você vê a educação hoje em relação à desconstrução de preconceitos?
Eu vejo a necessidade de mais diálogo aberto e especializado, com gente competente no assunto. Vejo a necessidade desses diálogos na escola também, especialmente para que as pessoas entendam melhor questões identidade de gênero, para que, quem sabe, num futuro próximo ninguém morra por ser gay.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros