Francisco Michielin: da Itália para a Papada - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião17/11/2016 | 09h00Atualizada em 17/11/2016 | 09h00

Francisco Michielin: da Itália para a Papada

Na semana passada me enviou, obviamente em italiano, os cumprimentos pelas campanhas e conquistas do ano, tendo visto pela TV vários dos nossos jogos

Francisco Michielin
Francisco Michielin

franmcf@terra.com.br

Era gélido o inverno nas duas primeiras vezes que ficamos em Gênova. Numa, eu tinha a intenção de fazer um apanhado panorâmico de sua zona portuária, interessado em reproduzir imaginariamente o embarque dos imigrantes. Fui impelido pelo desejo de elaborar um fidedigno romance que, por enquanto, dormita na gaveta. E embora já requisitado para editá-lo, ainda não me decidi. Confesso-me em dúvidas. A segunda visitação coincidiu com o famoso Festival de San Remo, no tradicional Teatro Ariston. Mas, apesar de litorânea, musical e com um frio ameno e suportável, claro que diferia das quenturas abrasadoras do verão.

Leia mais
Ciro Fabres: tempos excepcionais
Francisco Michielin: não se matam as flores
Adriana Antunes: eu na direção

Então, firmamos um pacto para voltar no "Ferraagosto" — o fervo do veraneio. Ao invés de nos hospedarmos na capital ligúrica optamos por uma praia, a 25 quilômetros de distância, em aprazível viagem de trem, costeando a "Riviera del Ponente". Com sua rica história e deslumbrante beleza, nos alojamos em Rapallo no Hotel Giulio Cesare — um esplendoroso quatro estrelas, administrado pela família com o pitoresco sobrenome Camisa a nos oferecer o golfo do Mediterrâneo vistosamente azulado. Estávamos rodeados por coqueiros e palmeiras seculares formando um belíssimo jardim florido retocado pelas gentis montanhas descendo sobre o mar. E é interessante lembrar que em Rapallo Hemingway escreveu o conto "Gato sob a chuva", que Nietzsche desenvolveu "Assim falou Zaratrusta" e que a charmosa dupla cinematográfica Humphrey Bogart e Ava Gardner protagonizou "A Condessa Descalça". Quando me dei conta lá estava eu, em pleno cemitério, onde, sob a chuva, se passou a cena final.

Logo do outro lado da baía, a badalada Portofino — reduto exclusivo de celebridades mundiais, alcançada em travessia marítima a pouco menos de vinte minutos e dando-se o acaso, presenciamos por pura sorte, um extraordinário show ao ar livre do cantor Andrea Bocceli, numa noite de luxo, gala e encantamentos.

Daí que retornando em outras ocasiões para esse privilegiado paraíso, minha amizade com Maximiliano — o estimado "Maxim" — consolidou-se fraternamente. Nós nos queremos muito bem. Quase cinquentão, ele é o proprietário do hotel e com minha lavagem cerebral ficou fanático pelo Juventude, sabendo tudo, os mínimos detalhes. Acompanha todos os jogos. Divulga o JU com alegria e prazer. Na semana passada me enviou, obviamente em italiano, os cumprimentos pelas campanhas e conquistas do ano, tendo visto pela TV vários dos nossos jogos. Orgulha-se de possuir quatro ou cinco camisas diferentes e por mim presenteadas. Pediu-me expressamente para que eu cumprimentasse à Direção e ao Zago, salientando que "a torcida do Juventude é de Série A". E sabem o que ainda? Assim, eufórico, no mais castiço português: "Para sempre força Papo!" Não é para a gente se ufanar?

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comInstrumentista e compositor André Viegas irá lançar DVD nesta terça, em Caxias https://t.co/K1cyy8EXnn #pioneirohá 21 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comEntenda os riscos causados pelo consumo de alimentos com excesso de agrotóxicos https://t.co/4vFhL9qvBE #pioneirohá 50 minutosRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros