Após polêmica entre secretarias da Saúde e da Cultura, estreia de peça do Falos & Stercus é cancelada - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Conflito11/11/2016 | 13h36Atualizada em 13/11/2016 | 14h24

Após polêmica entre secretarias da Saúde e da Cultura, estreia de peça do Falos & Stercus é cancelada

Hospital Psiquiátrico São Pedro, local em que o Falos se acostumou a encenar suas peças e onde realizaria "Mithos", foi interditado pelos bombeiros

Após polêmica entre secretarias da Saúde e da Cultura, estreia de peça do Falos & Stercus é cancelada Camila Domingues/Especial
Em "Mithos", atores do grupo Falos & Stercus realizam performances nas paredes do Hospital Psiquiátrico São Pedro Foto: Camila Domingues / Especial

A estreia da peça que comemoraria os 25 anos do grupo teatral gaúcho Falos & Stercus foi suspensa às vésperas de sua estreia, marcada para este sábado. Após uma vistoria marcada por polêmica entre as secretarias da Saúde e da Cultura, o Hospital Psiquiátrico São Pedro, local em que o Falos se acostumou a encenar suas peças e onde realizaria Mithos, foi interditado pelos bombeiros. 

Destaque na capa do Segundo Caderno da edição desta sexta-feira de Zero Hora, Mithos mistura técnicas de teatro, dança e circo, com uso de rapel, manipulação de fogo e jogo com o público. O espetáculo teria sessões nos sábados, domingos e segundas, até 5 de dezembro – as sessões deste fim de semana já estão comprometidas e, de acordo com a Secretaria da Saúde, as seguintes também deverão ser canceladas. Os bombeiros deram prazo de uma semana para que a situação do hospital seja regularizada – o problema é fazer os responsáveis pelo hospital e os interessados em pôr a peça em cartaz se entenderem.

Leia mais:
Hospital São Pedro não deve mais ser utilizado para espetáculos, diz Secretaria de Saúde do RS
Ator é preso durante espetáculo que critica violência policial em Santos 
Musical vai encenar vida e carreira da apresentadora Hebe Camargo
Após polêmica com Chico Buarque, renomado diretor de musicais ataca transexuais: "Falta surra!"

– Houve um problema de comunicação entre a Secretaria da Cultura e a Secretaria da Saúde – diz Rafael Venturella, capitão do Corpo de Bombeiros de Porto Alegre, que explica: – Tanto o evento temporário não preenche os requisitos, quanto o prédio como um todo não tem o plano de prevenção contra incêndios (PPCI).

A vistoria dos bombeiros foi feita com acompanhamento de Luiz Carlos Pinto Sobrinho, diretor responsável pelo Hospital Psiquiátrico São Pedro, que teria assinado o documento proibindo o grupo de realizar a peça. No entanto, um documento obtido pelo diretor do grupo teatral, Marcelo Respoli, dá conta de que os pavilhões 5 e 6 do prédio são de responsabilidade da Secretaria da Cultura, o que tornaria inócuo – e ilegal – o posicionamento da Saúde (veja a cópia do documento ao fim da matéria).

Por meio de seu diretor-geral, Francisco Bernd, a Secretaria da Saúde afirma que os laudos técnicos inviabilizam não só a realização da peça, mas a ocupação do hospital como um todo – inclusive colocando em risco atores e espectadores. Há documentos datados de 2008, 2009 e 2015 afirmando que "o prédio não apresenta condições de ocupação" e recomendando a desocupação e reforma de todos os espaços. Além disso, o contrato entre Saúde e Cultura que cede os pavilhões 5 a 6 à segunda pasta prevê rescisão caso haja notificação de qualquer um dos lados – o que ocorreu em 10 de novembro de 2015. (Confira todos os documentos neste link.)

– Há uma disputa entre a Cultura e a Saúde pela administração do espaço – diz Respoli, o diretor do Falos, que ainda pretende resolver a situação a tempo de realizar a temporada: – Nós sempre tivemos autorização da Cultura, mas a Saúde é contra a nossa ocupação, quer retirar os grupos de lá.  Me sinto triste como cidadão e como artista, pela falta de respeito com que foi tratado o nosso trabalho, que é reconhecido internacionalmente e tem um valor imaterial para a cultura do nosso Estado.

Mithos se passa, em grande parte, nas paredes e superfícies dos prédios dos pavilhões 5 e 6. Há cordas, cabos e roldanas presas nas construções – inclusive momentos em que os atores se penduram entre as duas edificações. Para a Saúde, trata-se de um risco iminente para todos. Há relatos de pelo menos um acidente envolvendo atores durante os ensaios.

– É uma peça bonita, mas imagina o risco – diz Bernd, que ressalta: – Com todos esses laudos e pareceres recomendando interditar e alertando sobre os perigos, é arriscadíssimo. Imagina que um desses cabos se rompa, uma das roldanas ceda, a parede se despedace, algum ator caia lá de cima. Quem é o responsável?

Bernd diz que o quiprocó vem desde 2008, quando o estado precário da construção começou a preocupar os peritos. Em 2009, o prédio começou a ser desocupado e, dois anos depois,  um laudo da Secretaria de Obras reforçou a recomendação de não utilizar o espaço. Já em 2015 um novo laudo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado teria confirmado a situação. Apesar dos documentos, o grupo teatral anunciou a peça três semanas atrás, o que fez a Saúde agir.

O diretor-geral refuta ainda a teoria de que a desocupação seria o primeiro passa para a privatização do espaço. Segundo ele, não só não há intenção de vender o Hospital São Pedro, como há planos de recuperá-lo. Assim que reformado, no entanto, o prédio não deve mais receber espetáculos culturais, mas ser utilizado exclusivamente para a saúde:

– Esse espetáculo não será realizado nem hoje, nem semana que vem, nem ano que vem. Eles não vão se apresentar mais no São Pedro – afirma – Nossa intenção é recuperar esse espaço e utilizá-lo para a saúde. Isso não inclui peças.

Ao fim da vistoria, além dos pavilhões utilizados pelo grupo, o restante do hospital também foi interditado – situação que atinge também os cerca de 170 internos do prédio. O episódio, além de tudo, chegou à polícia: durante a vistoria, Frederico Respoli, filho de Marcelo, gravava a ação dos bombeiros e as discussões entre o grupo, os agentes e o diretor do hospital  Luiz Carlos Pinto Sobrinho. Em determinado momento da gravação, Respoli se aproxima de Sobrinho, que aparenta já estar irritado, e é atingido por um soco, que derruba a câmera no chão. O fato gerou um boletim de ocorrência (veja o vídeo do momento da agressão e a cópia do B.O. abaixo). 

Victor Hugo, secretário da Cultura do Estado, tenta agir como um mediador da escaramuça. Desde segunda-feira, o secretário mantém contato com a Saúde, numa tentativa de flexibilizar as posições da pasta. Promoveu uma reunião com o grupo teatral na manhã desta sexta, para planejar ações, e acionou a Saúde para uma tentativa de solução:

– Respeitamos a posição de todos os órgãos do governo, mas, se todos os lados que sentam à mesa colocam entraves e não mostram vontade conjunta de superá-los, a situação não vai mudar. Continuo pedindo que haja flexibilização das posições da Secretaria da Saúde e da direção do hospital – diz o secretário, que garante querer resolver a situação o mais rápido possível: –  Se dependesse da ponta da minha caneta, o problema já estaria resolvido.

Agora, o Falos & Stercus tenta convencer os responsáveis de que o local tem tudo que é necessário para a realização de Mithos. Caso não consiga, o diretor do grupo cogita ir atrás do PPCI ou, em última circunstância, buscar outro local para o espetáculo.

Documento obtido pelo grupo Falos & Stercus mostra Secretaria da Cultura como responsável pelo Hospital São Pedro Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal
Documento obtido pelo grupo Falos & Stercus mostra Secretaria da Cultura como responsável pelo Hospital São Pedro
Boletim de ocorrência denuncia agressão física de Luiz Carlos Pinto Sobrinho contra Frederico Restori


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros