3por4: cinebiografia "Elis" chega aos cinemas nesta quinta-feira - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Cinema22/11/2016 | 10h04Atualizada em 22/11/2016 | 10h05

3por4: cinebiografia "Elis" chega aos cinemas nesta quinta-feira

O diretor Hugo Prata, a atriz Andreia Horta e ator Júlio Andrade estiveram em Porto Alegre para a divulgação do longa

3por4: cinebiografia "Elis" chega aos cinemas nesta quinta-feira Downton Filmes/Divulgação
Andreia Horta  interpreta Elis no longa Foto: Downton Filmes / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

Chega aos cinemas nesta quinta-feira a aguardada cinebiografia Elis. O longa foi apresentado à imprensa em Porto Alegre, com participação do diretor estreante em longas Hugo Prata, da protagonista Andreia Horta (vencedora do kikito de melhor atriz pelo trabalho no último Festival de Gramado) e do gaúcho Júlio Andrade, que vive o amigo íntimo da cantora e ícone dos teatros brasileiros Lennie Dale. Separamos algumas declarações do trio sobre o filme _ quarta-feira, você confere a matéria completa. 

Leia também:
IV Simpósio Internacional de Escultores em Bento Gonçalves ocorre até o dia 27
Festa Monte Reale Sunset será no domingo, em Flores da Cunha
Tail Dragger volta a Caxias para mostrar o autêntico blues de Chicago no MDBF 2016

O gaúcho Júlio Andrede interpreta um amigo íntimo da cantora Foto: Downtown Filmes / Divulgação

Júlio Andrade: "(o filme) foi um presente. Tem uma coisa que vai além, para mim, que é a amizade que tenho Andreia (Horta). A gente já falou sobre Elis e Gonzaguinha muito anos atrás, antes de eu fazer Gonzaguinha... na pizzaria Guanabara, no Rio de Janeiro, eu cantando Gonzaguinha, o dia amanhecendo, a gente ali brindando aquele encontro e ela falando de Elis também, da vontade que ela tinha. Aí os anos se passam e a gente se reencontra nesse filme maravilhoso e fazendo dois parceiros. Elis e Lennie eram muito amigos, para mim foi muito emocionante viver na ficção e na vida real esse encontro." 

Hugo Prata é estreante na direção de longas Foto: Carlos Mossmann / Pressphoto

Hugo Prata: "Eu tenho em casa, no meu iTunes, 315 músicas da Elis. No filme, ela canta 12. É muito pouco, são todas incríveis, uma melhor que a outra. Então, tivemos que usar o critério das canções que levassem nossa história para frente. Não podia simplesmente entrar e cantar porque a música era legal, tudo que ela fez era legal. Foi um trabalho bem difícil, ouvia muito considerando às vezes a letra, às vezes a harmonia, às vezes o andamento, então teve músicas que ficaram no roteiro por muito tempo e na hora final eu via que o andamento não ajudava. Por exemplo, ela ia cantar As Curvas da Estrada de Santos, mas aí na hora eu ouvi o Cinema Olímpia e tinha um andamento muito mais rigoroso para aquele momento do filme. Tentei trabalhar e colocar as músicas a serviço do roteiro."

Andreia Horta: "ela (Elis) era um exemplo, uma força mesmo. Então, ela toda me fascina, a maneira como ela conduziu a carreira dela, como foi fiel às posições dela. A todas as coisas que ela disse não, às coisas que ela disse sim. Até o temperamento dela que, sobretudo, me fascina demais. Porque é um temperamento reluzente, brilhante, que vai para frente, que não mente, não articula, é limpo, é reto. Eu acho isso lindo e dá muito menos trabalho também, embora não pareça."

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.com3por4: Calendário Pirelli tem fotos de estrelas sem photoshop https://t.co/8y4SdNURHc #pioneirohá 6 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comRescisões de trabalhadores da Guerra SA, em Caxias, serão anuladas https://t.co/tTEsHxOTSY #pioneirohá 11 minutosRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros