Francisco Michielin: olimpíadas eleitorais - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião29/09/2016 | 09h15Atualizada em 29/09/2016 | 09h15

Francisco Michielin: olimpíadas eleitorais

Em matéria de eleições eu reconheço que sou quase zero à esquerda

Francisco Michielin
Francisco Michielin

franmcf@terra.com.br

Em matéria de eleições eu reconheço que sou quase zero à esquerda. Comecei me ferrando. Já explico: em 1960, quando da última delas, antes da Ditadura se consolidar, eu era "di menor" com meus 17 anos e assim fui cassado do humano direito de debutar nas urnas. O que me livrou de pecar e padecer um eterno remorso. Estou com a consciência tranquila: dessa ninguém pode me culpar por ter mandado para Brasília o maluco do Jânio Quadros, o maior entre vários outros doidos dessa estranha fauna que faz parte da gaiola das loucas – o ¿hospício parlamentar¿, conforme o açougueiro fatiador Renam Calheiros. 

Leia mais
Frei Jaime: quer fazer algo para promover a paz mundial? Ame sua família!
Ciro Fabres: meus 14 anos
Adriana Antunes: meus pés e o jasmim

Desse modo, barrado do baile pelo limite etário, eu só fui ¿contemplado¿ (ou punido) com a chance de destinar o meu primeiro sufrágio presidencial exatamente trinta anos depois. Ao fazê-lo, em 1990, já próximo de ser um cinquentão, eu estava me nivelando, neste quesito específico, a qualquer principiante. E deu no que deu: de lá para cá, dois dos eleitos (FHC e Lula) botaram faixas de bicampeões, enquanto dois outros (Collor e Dilma) tomaram o cartão vermelho. Antes deles, Getúlio preferira entrar para a história, desferindo um tiro no seu coração. Fatos que me fazem pensar que devemos ter um alto espírito democrático. Aliás, para não ir tão longe, mas indo, sem querer querendo, o primeiro presidente deste país, Deodoro da Fonseca, não chegou a emplacar um aninho como chefe da nação. Levou uma baita rasteira dos próprios companheiros de farda e quem acabou homenageado em monumentos, praças e ruas foi Floriano Peixoto. 

Quem disse que "vice" não é nada?... No que me cabe, a chance de estrear na "cabine indevassável" deu-se em 1962 e não para sufragar alguma pessoa e, sim, uma idéia. Pois, de saída, já tomei bomba: no desastrado Plebiscito, eu resolvi optar pelo Parlamentarismo e perdi para o Presidencialismo. Tenho para mim, porém, que, por sua vez, o Brasil é quem perdeu a grande ocasião para se agigantar e dar um pulo maiúsculo em sua história minúscula. Mas, agora, resta-nos o consolo de dispor nada menos do que seis "prefeitáveis" para escolher. Esperemos que não se trate da irônica troca de seis por meia-dúzia. A tal história do mais do mesmo. Oxalá, benza Deus, que um deles tenha a competência desejada, torcendo, é óbvio, para que seja justamente o que for aclamado vencedor. E, depois, o elenco de 400 pretendentes à vereança compõe um exército para todos os gostos e tipos. 

Há de tudo. Afinal, todos eles têm o direito de sonhar e contar com o apoio dos familiares, das amizades e da vizinhança. Por falar em contar, eu lembro que na minha tenra meninice, em 1950, concorriam dois candidatos a prefeito: Euclides Triches (que acabou ganhando) e João José Conte. E não é que nos palanques dos comícios do que iria realmente se eleger seus adeptos gritavam euforicamente: "Conte comigo!" Como assim, devia pensar Triches: "conto eu ou conta o outro?" Talvez tenha sido a eleição mais duvidosa de todos os tempos¿

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comErro faz Daer cancelar licitação para conserva de trecho da Rota do Sol https://t.co/Fd3PdfeyJ7 #pioneirohá 28 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comAcervo digital da CIC é doado ao Arquivo Histórico Municipal https://t.co/zZlrB94zCD #pioneirohá 57 minutosRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros