Ballet Guaíra apresenta versão de ¿Romeu e Julieta¿ em Caxias - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Tradição e inovação24/09/2016 | 06h20Atualizada em 24/09/2016 | 06h20

Ballet Guaíra apresenta versão de ¿Romeu e Julieta¿ em Caxias

Será neste sábado, às 20h, no Teatro Pedro Parenti

Ballet Guaíra apresenta versão de ¿Romeu e Julieta¿ em Caxias Michael Juliano/Divulgação
Ballet Guaíra apresenta versão de ¿Romeu e Julieta¿ em Caxias Foto: Michael Juliano / Divulgação

Romeu e Julieta se amam, mas o ódio entre suas famílias é a ruína dessa paixão. A trama shakesperiana tem incontáveis versões do cinema ao balé. Na que o Ballet Guaíra apresenta neste sábado, às 20h, no Teatro Pedro Parenti (ingressos a R$ 20 ou R$ 10 – meia entrada), a música de Sergei Prokofiev permanece intocável. Mas a versão do coreógrafo Luiz Fernando Bongiovanni reduziu a coreografia a uma hora e dez minutos. 

Leia mais
Nivaldo Pereira: louvação a Virgem

Escritor Paulo Ribeiro comemora 30 anos de carreira
Roteiro de museus em Nova York

Tempo suficiente para que, segundo a diretora artística da companhia, Cintia Napoli, se mantenha a beleza e potência da obra:

— Fizemos esta versão reduzida no ano passado com o intuito de democratizar e revitalizar a obra. A coreografia do Bongiovanni é lindíssima e, num momento de crise do país, temos que fazer a nossa parte para difundir a arte e a cultura.

A redução não implica na perda de momentos marcantes da história, como o balcão, a fonte e a igreja onde os enamorados se encontram. O cenário para isso vem de Curitiba, cidade sede do Ballet Guaíra com sua trajetória de mais de 40 anos e 130 coreografias que contribuem para a história da dança brasileira.

— Nossa preocupação foi deixar as partes principais. Até agora fomos vistos por 14 mil pessoas — conta Cintia, citando a turnê nacional do Guaíra com este balé.

Esse público é atraído pelo que conhece da história e, também, pelo que de novo pode descobrir através da dança.

— Romeu e Julieta mostra a fragilidade do ser humano, nos humaniza e nos lembra que somos de carne e osso, que nos apaixonamos e que morremos. Mas o espetáculo também tem um lado suave, divertido, não é hermético — afirma a diretora.

Todo esse contexto é construído em linguagem contemporânea, com a ajuda da técnica do balé clássico.

— A gente trabalha obras consagradas com a nossa linguagem. Temos um pensamento contemporâneo que contempla uma diversidade de opções, incluindo o clássico — diz Cintia.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comApós repercussão, organizadores desistem de pancadaria no Dia do Soco, em Caxias https://t.co/8UtQmQG3SB #pioneirohá 2 horas Retweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comPioneiro Esportes https://t.co/u511DH3PIJ #pioneirohá 4 horas Retweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros